Início Destaques Japão Grupo Renault/Nissan/Mitsubishi irão definir nova liderança

Grupo Renault/Nissan/Mitsubishi irão definir nova liderança

39
0
Assembleia de Conselho poderá destituir Ghosn da Diretoria de Conselho. Foto: Twitter

Líderes do escândalo da aliança global de automóveis entre a Nissan Motor, a Renault SA e a Mitsubishi Motors Corp disseram na terça-feira (12) que vão buscar uma parceria mais forte e equilibrada para se destacar contra as montadoras rivais.

Em um aparente esforço para delinear a estrutura da aliança pós-Carlos Ghosn, as três empresas disseram que a entidade estabelecerá uma nova diretoria conjunta projetada para ser operada com um equilíbrio justo de poder.

“Este é um dia muito especial para a aliança”, disse o presidente da Renault, Jean-Dominique Senard, durante uma coletiva de imprensa na sede da Nissan em Yokohama.

“Decidimos unir nossas forças novamente para aumentar a capacidade de nossa colaboração”, disse Senard. “Queremos estar em posição de melhorar significativamente nossa eficiência.”

As três empresas concordaram em vários pontos, incluindo a simplificação da estrutura de gestão de alianças, criando a nova diretoria.

Eles disseram que será o único órgão governante da aliança. Atualmente, a aliança é gerenciada por um empreendimento Nissan-Renault e um empreendimento Nissan-Mitsubishi Motors.

O novo conselho será composto por quatro membros, incluindo Senard, o CEO da Nissan, Hiroto Saikawa, o CEO da Renault, Thierry Bollore, e o Presidente da Mitsubishi Motors, Osamu Masuko. Todos os três compareceram à coletiva de imprensa de terça-feira.

Saikawa enfatizou a importância de respeitar a justiça, com a estrutura operacional da aliança anterior não tendo sido equilibrada do ponto de vista da Nissan.

Anteriormente, a tomada de decisões dependia do chefe da diretoria da joint venture Renault-Nissan, que era dirigida por um executivo da Renault, o que significa que a Nissan não tinha o poder final de controlar as políticas de aliança, segundo a Nissan. Mas o presidente do novo conselho não terá tal autoridade, disse a empresa.

Alguns meios de comunicação japoneses também relataram que muitas mudanças foram vetadas por Ghosn, o ex-chefe da Nissan e da Renault, que também atuou como chefe da aliança de três vias.

Saikawa disse que eles concordaram que o costume do presidente da Renault de assumir a presidência da Nissan não se aplicará a Senard, destacando essa mudança como outro exemplo de independência da Nissan sendo respeitada.

A Nissan e a Renault anunciaram que sua joint-venture baseada em Amsterdã, chamada Renault-Nissan BV, que supervisiona a operação da aliança, continuará a existir e funcionará como um órgão de operação de aliança de backup para a nova diretoria.

Renault e Nissan disseram que não estão considerando uma revisão do equilíbrio de poder na parceria entre acionistas neste momento.

Ghosn, que embarcou para salvar a batalha da Nissan em 1999, foi o arquiteto da aliança. Ele supostamente estava de olho em uma fusão entre Nissan e Renault sob uma holding, respeitando sua independência. A Nissan estava relutante em aceitar o plano de fusão por preocupação de que sua autonomia seria prejudicada.

Perguntado se Ghosn estava realmente planejando tal fusão, Senard disse que não foi capaz de confirmar isso e acrescentou que uma fusão, ou equilíbrio de poder acionário, “não é o ponto de hoje”.

“Estou apenas tomando a situação como está e olhando para o futuro”, disse ele.

A Renault detém 43 por cento das ações da Nissan, enquanto a Nissan detém 15 por cento das ações da Renault.

Enquanto o destino da aliança era o foco de atenção, os repórteres também fizeram várias perguntas sobre seu antigo chefe.

Ghosn, que foi libertado sob fiança na semana passada da Casa de Detenção de Tóquio depois de mais de 100 dias, pediu permissão ao Tribunal Distrital de Tóquio para participar da reunião de diretoria da Nissan na terça-feira. O tribunal rejeitou seu pedido, citando o risco de a evidência ser destruída se Ghosn se comunicasse com os executivos da Nissan, segundo alguns relatos na mídia japonesa.

Junichiro Hironaka, um advogado da equipe jurídica de Ghosn, disse que Ghosn ainda é diretor do conselho e, portanto, espera cumprir seu dever profissional. A Nissan se opôs à sua participação, preocupada com a possibilidade de que a reunião não seja bem-sucedida, disse ele a repórteres em uma entrevista transmitida pela TV.

O conselho da Nissan retirou Ghosn do cargo de presidente em novembro após sua prisão em 19 de novembro, mas ele continua sendo diretor do conselho. Para nomear ou remover alguém de uma diretoria, a empresa precisa de aprovação em uma assembleia de acionistas.

A Nissan planeja realizar uma assembleia geral extraordinária no próximo mês para aliviar Ghosn e seu assessor, Greg Kelly, ex-diretor representante da Nissan, que também foi preso junto com Ghosn, de seus cargos de diretoria.

A primeira prisão do executivo francês, de 65 anos, no Brasil, por suspeita de subnotificação de sua renda, foi feita pela Procuradoria do Distrito de Tóquio, no aeroporto de Haneda.

Os promotores o prenderam novamente em duas acusações adicionais de má conduta financeira, inclusive por supostamente subestimar sua renda em outra ocasião e um suposto incidente de violação agravada de confiança envolvendo a transferência de perdas de investimentos privados para a Nissan durante a crise financeira global em 2008.

Ghosn negou todas as alegações. Senard se recusou a comentar as alegações contra Ghosn, dizendo que, por princípio, ele considera as pessoas inocentes até que um veredicto legal seja proferido. 

Fonte: Japan Times


https://www.japantimes.co.jp/news/2019/03/12/business/corporate-business/nissan-renault-mitsubishi-motors-seek-fresh-start-new-joint-board/#.XIftTChKjIU.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here