A linguagem de sinais no Japão, é chamado de Nihon Shuwa, ou também muito conhecida como JSL (Japanese Sign Language).  Antigamente também havia outro termo usado para a língua de sinais, que era o “Temane”.

O Nihon shuwa foi reconhecido oficialmente em 2011 e é um pouco diferente das linguagens de sinais que conhecemos aqui no ocidente.




 

Na JSL, a comunicação é feita não só com as mãos, mas também com braços, expressões faciais, olhos, sobrancelha e boca.

Até meados de 1970, as pessoas surdas eram desconsideradas socialmente. Geralmente, eram nomeados até de deficientes mentais, incapazes de obter carteira de motorista ou até assinar documentos. E, por falta de incentivo, para sobreviver, essas pessoas se destinavam a trabalhos manuais ou agrícolas.

Atualmente há cerca de 107 escolas para surdos no Japão. E cerca de 80% dos portadores de deficiência auditiva, hoje possuem entendimento do alfabeto datilológico, além de finalmente terem forças para lutar por seus direitos e inclusão na sociedade.

 

fonte: japaoemfoco

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.