Início Destaques Home Topo A onda K-pop invade o Japão e cantores amadores migram para a...

A onda K-pop invade o Japão e cantores amadores migram para a Coréia do Sul

1229
0
O afluxo de talentos japoneses que está remodelando a indústria do K-pop vem em um momento de amargura política entre os dois países que danificou os laços diplomáticos. Foto: Youtube

Seul – Yuuka Hasumi colocou o ensino médio no Japão em espera e voou para a Coréia do Sul em fevereiro para testar suas chances de se tornar uma estrela de K-pop, mesmo que isso signifique longas horas de treinamento vocal e de dança, sem privacidade, sem namorado e mesmo sem telefone.

Hasumi, 17 anos, ingressou na Acopia School, em Seul, uma escola preparatória que oferecia aos jovens japoneses uma chance pelo estrelato K-pop, ensinando-lhes os movimentos da dança, as músicas e também a língua.

Ela é uma entre uma um milhão de outras aspirantes a K-pop, da Coréia do Sul e do exterior na esperança de obter uma chance de audições competitivas de grandes agências de talentos.

“É difícil”, disse Hasumi em japonês, encharcada de suor de uma aula de dança com a amiga de 15 anos Yuho Wakamatsu, também do Japão.

“Passando por um treinamento rigoroso e levando minha habilidade a um nível mais alto para um estágio perfeito”, disse ela.

Hasumi faz parte das 500 jovens japoneses que se juntam à Acopia a cada ano, pagando até US $ 3.000 por mês por treinamento.

A escola também organiza audições para seus candidatos com empresas de gestão de talentos que têm sido a força motriz por trás da cultura pop que explodiu no cenário mundial na última década com bandas como BTS.

O afluxo de talentos japoneses que está remodelando a indústria do K-pop vem em um momento de amargura política entre os dois países que danificou os laços diplomáticos.

“Eles são loucos pelo BTS no Japão”, disse Lee Soo-chul, membro do conselho do Seul-Tokyo Forum, uma fundação privada com membros de diplomatas e executivos de ambos os países.

Grupos de K-pop e veteranos músicos coreanos estão vendendo salas de concerto por todo o Japão, disse Lee, ex-chefe das operações japonesas do Samsung Group. “Não há animosidade entre Coreia e Japão.”

CONGELAMENTO PROFUNDO

As tensões enraizadas na colonização da Coréia do Japão, entre 1910 e 1945, aumentaram após as decisões judiciais sul-coreanas contra as empresas japonesas de trabalho forçado, e em meio a uma percepção na Coréia de que a liderança do Japão não assumiu adequadamente seu passado colonial.

Mas a popularidade da cultura coreana e da música K-pop está aumentando no Japão, com muitos fãs e artistas dizendo que não estão incomodados com a tensão diplomática.

“Eu posso ser criticado por ser japonês, mas quero estar em um palco e fazer (sul-coreanos) saber que japonês pode ser tão legal”, disse Rikuya Kawasaki, um esperançoso astro japonês de 16 anos que fez testes sem sucesso em Tóquio para a escola de Acopia.

Para escolas e agências, o mercado de música do Japão – o segundo maior depois dos Estados Unidos e maior que a China – é um grande prêmio e muitos estão em uma campanha para recrutar talentos japoneses.

“Será bom que o Japão e a Coréia do Sul se dê bem com a música”, disse Hasumi à Reuters durante um intervalo de sua aula de língua coreana.

Alguns transplantes japoneses já fizeram sucesso. Os três membros japoneses da banda de garotas Twice ajudaram a tornar o grupo o segundo mais popular no Japão, depois da BTS.

Seu sucesso levou a JYP Entertainment, agência sul-coreana de apoio a Twice, a planejar o lançamento de um grupo ídolo composto apenas por garotas japonesas.

A JYP se recusou a comentar essa história.

Funcionários da agência estão relutantes em discutir o seu sucesso no Japão e a infusão de talentos japoneses, preocupados em alimentar uma reação politicamente carregada, disseram fontes da indústria.

HARD ROAD TO STARDOM

Não há escassez de esperançosos japoneses dispostos a treinar sob o olhar atento das agências de talentos, alguns tendo saído de carreiras bem-sucedidas em busca de fama no K-pop.

“Eu ouvi histórias sobre não ter tempo livre ou não ser capaz de fazer o que eu quero. Mas, eu acho que todas as estrelas do K-pop que estão se apresentando agora seguiram o mesmo caminho”, disse Nao Niitsu, um jogador de 19 anos, calouro de faculdade de Tóquio.

Durante uma visita a Seul paga pela mãe, ela mesma uma fã obstinada da BTS, Niitsu fez o teste para 10 agências e foi aceita por cinco.

A estreia é evasiva, ao contrário do Japão, onde é mais fácil para os ídolos começarem e então aprimorar suas habilidades e trabalhar em seu apelo com os fãs.

Miyu Takeuchi disse que não foi uma decisão difícil deixar uma carreira de 10 anos com uma banda de topo chamada AKB48 no Japão para assinar com a agência K-pop Mystic Entertainment em março como trainee.

Mesmo com sua experiência, ela tem sete horas de treinamento vocal por dia e duas horas de aulas de dança duas vezes por semana, além de aulas coreanas de manhã cedo.

Ela não tem permissão para ter um namorado, mas ela diz que não se arrepende, apesar do fato de não haver garantia de que ela conseguirá.

“Eu não sei quanto tempo durará o meu período de treinamento, mas tem que chegar a um ponto em que meus treinadores e empresa de gestão digam ‘Miyu, você é uma profissional!'”

Fonte: Asahi Shimbun

http://www.asahi.com/ajw/articles/AJ201905020030.html.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here