681 visualizações 2 min 0 Comentário

Abe fala sobre atrasos de impostos do Japão

- 25 de maio de 2019

O primeiro-ministro, Shinzo Abe, disse que não vai necessariamente convocar uma eleição para a Câmara dos Deputados, mesmo que seu governo decida adiar um impopular aumento do imposto de consumo planejado para 1º de outubro.

Falando na sexta-feira perante o Comitê de Saúde, Trabalho e Bem-Estar da Câmara, Abe reiterou que não houve mudança no plano do governo de elevar a taxa de consumo de 8% para 10% como planejado, observando que nada menos do que uma calamidade financeira devastador como a crise financeira global de 2008, desencadeada pelo colapso do banco de investimento americano Lehman Brothers, justificaria o adiamento da subida novamente.




 

Abe estava respondendo a uma pergunta de Yuichiro Tamaki, chefe da oposição Partido Democrático para o Povo.

O imposto deve ser aumentado para fortalecer a rede de previdência social do Japão, melhorar a solidez fiscal e manter a confiança no país, disse Abe.

Questionado sobre como o governo reagiria no caso de uma grande crise financeira, o primeiro-ministro se recusou a entrar no assunto, dizendo que tomaria a decisão apropriada se isso acontecesse.

Tamaki disse que o curso futuro da economia japonesa é extremamente incerto, ao que Abe observou os fortes fundamentos econômicos do país, que apóiam a demanda doméstica, apontando para melhorias no emprego e no meio ambiente para o aumento da renda.

Abe disse que, ao administrar a economia, o governo trabalhará duro para averiguar o impacto de fatores na economia global, incluindo desenvolvimentos em questões comerciais e o futuro da economia chinesa.

Tamaki depois disse aos repórteres que, se o aumento do imposto for atrasado, o gabinete de Abe deve renunciar em massa para assumir a responsabilidade – e não convocar uma eleição.

Fonte: Kyodo