Início Brasil Achados e Perdidos nos trens do Japão

Achados e Perdidos nos trens do Japão

657
0
Os guarda-chuvas são responsáveis por 20 a 30% de todos os itens perdidos em um depósito da delegacia de Nakamura, na Ala Nakamura, em Nagoya. (Foto: Haruka Suzuki)

Provavelmente, se você deixar sua carteira em um trem no Japão, ela será entregue e devolvida com o dinheiro e os cartões de crédito intactos.

Mas há um outro lado da invejável reputação de honestidade deste país.

Operadores ferroviários, mestres de estações e policiais estão se recuperando das montanhas de itens perdidos entregues por passageiros, lojas e membros do público.

No ano passado, 28,82 milhões de itens foram levados para delegacias de polícia em todo o país, 1,7 vezes o valor de 2008, segundo a Agência Nacional de Polícia.

Nos dias chuvosos, guarda-chuvas são esquecidos. Itens como livros, chaves e até restos humanos cremados são deixado.

As delegacias de polícia, obrigadas a aceitar itens de propriedade perdida, enfrentam uma tarefa onerosa tentando localizar os proprietários.

Tanto tempo e esforço são gastos tentando devolver itens, que a polícia sentiu uma necessidade urgente de simplificar o sistema para melhorar a eficiência.

CENTRO DE CHAMADAS DEDICADO

Na de Aichi, a polícia estabeleceu na primavera passada um call center para aliviar sua carga de trabalho. Oito funcionários foram designados para responder às solicitações do público sobre bens perdidos.

A equipe de funcionários pergunta aos chamadores, por exemplo, sobre a cor de uma carteira perdida e talvez seu conteúdo. Leva apenas alguns minutos para pesquisar um registro on-line de itens entregues.

A propriedade perdida costumava ser administrada por seções de contabilidade em 45 delegacias de polícia na província. Mas o grande número de telefonemas diários relativos à propriedade perdida minou a moral.

Isso levou à decisão de instalar o call center em nome de oito delegacias de polícia em Nagoya que recebem um número significativamente grande de consultas.

A decisão teve um efeito notável, como reduzir o tempo de espera que as pessoas passam nos balcões durante as visitas às delegacias de polícia, disseram policiais da província.

O número de itens perdidos na província subiu para 1.487 milhões no ano passado, 1,5 vezes mais do que em 2008. A polícia disse que 36% dos itens foram devolvidos aos seus donos.

Um fator por trás do aumento de pertences pessoais esquecidos é a crescente popularidade dos shoppings, de acordo com policiais.

Os funcionários observaram que as revisões da lei de propriedade perdida em 2007 ajudaram a aumentar a conscientização pública sobre os sistemas em vigor para recuperar itens perdidos. Um dos pontos positivos das mudanças foi que hospitais e pequenas empresas, como lojas, ficaram mais vigilantes em relatar a falta de itens à polícia.

Dadas as crescentes preocupações sobre questões de privacidade e a forma como as informações pessoais são gerenciadas com mais cuidado, pode ser difícil rastrear os proprietários de itens perdidos.

Como as empresas de cartão de crédito e operadoras de telefonia celular não divulgam os dados dos clientes, agora leva mais tempo para alcançar pessoas que perderam suas carteiras, smartphones ou outros itens, segundo a polícia da província.

REDUZIR O FARDO

A polícia em todo o país tem pensado em maneiras de reduzir a carga sobre o pessoal, o que resultou em algumas novas alternativas.

A lei de propriedade perdida estipula que a propriedade de itens perdidos cujos proprietários não podem ser identificados dentro de três meses, deve ser transferida para as autoridades da província à princípio.

A polícia é responsável pelos processos de descarte e venda desses itens.

A partir deste ano fiscal, a polícia da província de Fukuoka começou a vender itens na sede. Até agora, 35 delegacias de polícia na província contataram agentes de bens de segunda mão para avaliar artigos não reclamados e possivelmente valiosos para vendê-los. Essas aberturas são feitas uma ou duas vezes por ano.

A polícia da província de Kanagawa introduziu um programa semelhante em novembro passado em caráter experimental, mas o suspendeu em julho porque era mais demorado do que as autoridades previam.

A polícia de Kanagawa agora pretende solicitar feedback das delegacias de polícia, antes de decidir como introduzir um sistema de vendas de itens perdidos.

EMPRESAS FERROVIÁRIAS TAMBÉM INUNDA

Os operadores ferroviários também lidam com um enorme volume de itens deixados pelos passageiros, e são obrigados a armazená-los por alguns dias a uma semana antes de entregá-los à polícia, que os mantém por três meses antes de serem devolvidos às empresas ferroviárias e descartados.

Em abril de 2016, a Agência Nacional de Polícia solicitou às empresas ferroviárias que manuseiem itens esquecidos por sua conta . Esses itens foram armazenados em 81 estações e instalações dedicadas de 36 corporações ferroviárias no final do ano passado.

A lei de propriedade perdida permite que operadores ferroviários e lojas de departamento mantenham artigos esquecidos e os descartem após duas semanas, se os itens tiverem pouco valor.

A West Japan Railway Co. (JR West), no final de 2016, começou a armazenar guarda-chuvas deixados pelos passageiros em grande escala. A partir do final do ano passado, contava com 10 instalações desse tipo. Em julho deste ano, o número subiu para 52.

O número de itens de propriedade perdidos relatados em estações e outras instalações gerenciadas pela JR West aumentou em 130.000 em quatro anos, do ano fiscal de 2013 para 1.213 milhões.

Muitos dos itens são malas vazias de viajantes após a compra de novos, bem como lembranças “duty-free”. Os números aumentaram dramaticamente com o influxo de números de turistas estrangeiros, de acordo com JR West.

Fonte: Asahi Shimbun

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here