90 visualizações 6 min 0 Comentário

Anastasia Megumi conta a sua integração à comunidade japonesa

- 12 de dezembro de 2023

Anatasia Megumi (20), uma nipo-americana de quarta geração, não frequentou a escola durante um ano e meio depois de vir de Sumatra, na Indonésia, para o Japão, aos 13 anos. Ela frequentou uma escola noturna na cidade de Nishio, província de Aichi, e encontrou seu sonho. Persigo meu sonho na esperança de dar esperança às crianças que estão na mesma situação que eu.

10% dos alunos estrangeiros do ensino fundamental e médio não frequentam a escola ou não têm certeza se frequentam a escola, de acordo com uma pesquisa do Ministério da Educação, Cultura, Esportes, Ciência e Tecnologia. Megumi entrou na província de Isshiki Ensino Médio em 2021 e atualmente está no terceiro ano.

Durante a semana, ele trabalha em uma fábrica de autopeças, das 6h às 15h, e depois vai para a escola. “Estou ocupada, mas a escola é divertida. Quero experimentar muitas coisas durante meus anos de ensino médio”, disse ela com um sorriso. Em meados de novembro, os alunos que frequentavam escolas secundárias a tempo parcial e por correspondência participaram no “Concurso Nacional de Apresentação de Experiências de Vida”, onde falaram sobre o que aprenderam na escola e os seus sonhos para o futuro. O título da apresentação foi “Daijobu”. Primeiro, ela apresentou sua formação. Até os 4 anos morou com a avó em Sumatra e se sentia solitária porque não conseguia ver os pais que trabalhavam no Japão. Depois de morar no Japão aos 13 anos, após morar entre dois países, sua rotina diária era cuidar do irmão mais novo, que é 7 anos mais novo que ela. Depois de pensar em sua carreira, ingressou no ensino médio, mas teve dificuldade em fazer amigos. “Sou a única que usa hijab. Sou diferente de todo mundo. Foi o que pensei.” Porém, quando tentei ao máximo conversar com eles, mesmo estando nervosa, todos me trataram normalmente.

Na Isshiki High School, cerca de 60% dos alunos de meio período são estrangeiros. Rapidamente conheci meus dois colegas vietnamitas. Eles atuam juntos no comitê executivo do festival escolar e vão ao karaokê nos dias de folga. Agora eles fazem tudo juntos. Eu sonhava em ser médico desde criança, mas durante os anos do ensino médio outro sonho começou a surgir. “Aulas, atividades de clube, eventos escolares. Os professores da Isshiki High School parecem estar se divertindo tanto quanto os alunos. Eu também quero experimentar!” Como primeiro passo em direção a um novo objetivo, a cidade de Nishio criou um programa com raízes em um país estrangeiro.

No ano passado, comecei a trabalhar meio período no KIBOU, uma classe de apoio a crianças. Na verdade, depois de vir para o Japão na primavera de 2017, não foi à escola porque seus pais queriam que ela voltasse para casa. Depois de ser persuadido pela equipe do KIBOU, foi transferida para o terceiro ano do ensino médio no outono de 2018. Depois de se formar na primavera seguinte, passou os dois anos seguintes cuidando de seu irmão mais novo. “Está tudo bem porque eu amo minha família.” Mesmo assim, fiquei com um pouco de ciúme do meu amigo que disse: “O ensino médio foi divertido”. Kimie Kawakami, diretora do KIBOU, cuida de Megumi desde que ela era uma estudante do ensino fundamental, quando ela viajava de ida e volta para seu país de origem.

Megumi, que na época era tímida e não conseguia expressar suas intenções, está acompanhando seu progresso. “Naquela época, não frequentar a escola fez com que ela perdesse a confiança. Ver seu trabalho duro depois de entrar no ensino médio é encorajar outras crianças.” Havia 778 crianças em todo o país, das quais 90 estavam em Aichi, o terceiro maior número por província. Megumi atualmente ensina japonês para pessoas de todas as idades e nacionalidades, desde crianças do ensino pré-primário até pessoas na faixa dos 60 anos. Ela diz que quer ajudar estrangeiros que estão com problemas, pois se sente semelhante a quando era criança. Para realizar o sonho de ser professora, ela espera cursar a universidade após a formatura. Megumi concluiu sua apresentação na convenção nacional realizada em Tóquio com estas palavras: “Quando entrei no ensino médio, fiz amigos que me reconheceram. Eles me deram outro sonho. Agora posso dizer com segurança: “Sou como todo mundo”. Então, eu disse: “Está tudo bem”. ”

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.