Início Destaques Japão Apartamentos 1K custam de 80.000 à 100.000 ienes em Miyakojima

Apartamentos 1K custam de 80.000 à 100.000 ienes em Miyakojima

731
0
O valor do aluguel em Miyakojima é superior a capital Naha. Foto: TripAdvisor

Um influxo de trabalhadores da construção civil para atender às demandas do boom do turismo na ilha resort de Miyakojima, em Okinawa, está criando escassez severa de apartamentos, elevando os aluguéis.

Vamos utilizar como referência o aluguel de apartamentos estúdio, que combinam a sala de estar, quarto e cozinha em um quarto individual, usando Miyakojima e Naha para comparação.

O aluguel de uma unidade de 25 a 30 metros quadrados no distrito de Naha, no norte do país, custa entre 55 mil e 60 mil ienes por mês, segundo a empresa Takechan Home, de Naha.

Em Miyakojima, no entanto, o aluguel para este tipo de apartamento sobe para 80.000 a 100.000 ienes. Em alguns novos edifícios, o tamanho das salas foi reduzido para se adequar a mais unidades.

O chefe da Takechan, Takao Takeshima, chamou a situação de “anormal”.

Um funcionário de uma empresa imobiliária local disse que a taxa de ocupação é de quase 100% para os apartamentos que administra.

A bolha de aluguel de Miyakojima é ocasionada devido ao grande contingente de trabalhadores que constrói a nova base da Força de Autodefesa em Terra, escolas e outras instalações na ilha.

Devido ao aumento do turismo, no entanto, Miyakojima também é insuficiente em hotéis e outras acomodações. Os projetos de obras públicas encomendados pelos governos municipal e central estão tornando a escassez crônica, levando as empresas a recrutar pessoas de fora da ilha.

Hotéis e restaurantes também estão acumulando trabalhadores, exacerbando a escassez de moradias.

Miyakojima se tornou um destino turístico amplamente conhecido desde que sua exposição na TV e em revistas aumentou após a inauguração da ponte Irabu Ohashi em janeiro de 2015, que a liga à ilha de Irabu.

Desde o início do ano fiscal de 2015, o turismo aumentou de 100.000 a 300.000 pessoas por ano, graças aos novos voos e às escalas dos navios de cruzeiro vindos do exterior. O total para o ano fiscal de 2018, encerrado em março, deve chegar a 1,1 milhão.

O boom do turismo levou a mais trabalhadores sendo empregados pela indústria de serviços.

Isao Sawada, que lidera a empresa imobiliária Jutaku Joho Center, na cidade de Miyakojima. Sua empresa espera aumentar o número de quartos adicionando mais prédios de apartamentos, mas isso se mostrou difícil.

A falta de apartamentos levou algumas pessoas a ficar em hotéis e pousadas como uma medida paliativa.

Um funcionário público de 50 anos que foi transferido de Naha para Miyakojima disse que estava ciente da falta de apartamentos, mas nunca pensou que seria tão ruim assim.

Depois que ele foi notificado da transferência, ele começou a procurar um apartamento na cidade no início de março, mas não conseguiu encontrar um. Com a ajuda de um amigo, ele conseguiu assinar um contrato de aluguel de um novo apartamento.

Atrasos na construção, no entanto, atrasaram seu dia de mudança, que deveria ocorrer em 1º de abril, forçando-o a morar em um hotel em Miyakojima.

Uma mulher que administra uma casa de hóspedes na cidade tem recebido frequentes consultas de empresas pedindo que ela aloje seus funcionários nos últimos dois anos.

Ela disse que permitir que eles permaneçam por um longo tempo poderia encorajá-los a tratar sua casa de hóspedes como sua própria casa, o que pode fazer com que outros hóspedes que visitem a cidade não se sintam à vontade. Ela disse que decidiu “deixá-los ficar até uma semana ou mais”.

Em um negócio imobiliário na cidade, pedidos para arrendar o aluguel começaram a surgir dos proprietários em outubro. As solicitações variam entre 5 e 15 por cento. Alguns foram estimulados em ação depois de encontrar novos apartamentos sendo alugados a taxas mais elevadas.

A filial de Miyako do centro de assuntos de consumo da Prefeitura de Okinawa, por sua vez, recebeu seis pedidos de consulta sobre aumentos de aluguel entre dezembro e março. Em um caso, um inquilino foi convidado pelo proprietário a aceitar rapidamente uma alta de 20.000 ienes.

Um funcionário da prefeitura disse que a lei permite que os proprietários exijam um aluguel maior.

Fonte: Japan Times

https://www.japantimes.co.jp/news/2019/04/21/national/worker-influx-ignites-resort-island-rent-bubble-miyakojima/#.XL3T8ehKjIU.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here