Pesquisadores japoneses fizeram uma contribuição significativa para uma equipe internacional que permitiu à humanidade dar uma primeira olhada em um buraco negro.

Os pesquisadores ajudaram a visualizar os dados coletados por uma rede de radiotelescópios espalhados pelo mundo, que efetivamente funcionava como um gigantesco telescópio do tamanho da Terra, e também faziam parte da equipe que gerenciava um dos telescópios.

Um dia depois de a imagem ter sido divulgada, o secretário-chefe do gabinete, Yoshihide Suga, chamou a conquista de “criação de época”.

“Isso representa um novo passo em frente ao aprendizado das características dos buracos negros”, disse ele, acrescentando: “Espero que a pesquisa que nos levaram a aprender mais sobre o universo continue avançando”.

Os buracos negros, teorizados por Albert Einstein há cerca de um século, foram confirmados através de evidências indiretas, mas nunca antes através de uma imagem.

A imagem do buraco negro supermassivo em uma galáxia chamada Messier 87, revelada na quarta-feira por uma equipe liderada por Sheperd Doeleman, da Universidade de Harvard, eliminou quaisquer dúvidas sobre a existência de buracos negros e teorias reforçadas baseadas em sua existência.

“Capturou visualmente o que se dizia existir, mas nunca foi visto por ninguém. Este é, sem dúvida, digno de um Prêmio Nobel”, disse Yoshiaki Taniguchi, professor de astronomia galáctica na Universidade Aberta do Japão, logo após o anúncio.

Capturar o buraco negro a cerca de 55 milhões de anos-luz de distância foi uma tarefa monumental, comparada à procura de uma bola de tênis na Lua a olho nu.

Enquanto um radiotelescópio com uma antena parabólica maior pode coletar mais dados e representar uma imagem mais precisa de um buraco negro, há um limite para o tamanho do prato. A equipe internacional criou uma rede de oito radiotelescópios em todo o mundo, usando um método conhecido como interferometria muito longa, para superar essa limitação.

Mas como algumas ondas de rádio estão fora do alcance da rede, a equipe usou estatísticas para estimar os dados perdidos.

Mareki Homma, do Observatório Astronômico Nacional do Japão e outros pesquisadores japoneses, usou o que é conhecido como modelagem esparsa para desenvolver um método de processamento de dados para reunir imagens.

Kotaro Moriyama, pesquisador do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, disse que a equipe japonesa garantiu a credibilidade dos dados obtidos ao gerar imagens de 60 mil maneiras diferentes.

O Japão também contribuiu como membro de uma equipe de operação do ALMA, um gigantesco telescópio no Chile, que é um dos oito telescópios que participam da rede.

Combinando cerca de 40 antenas com um diâmetro de 12 metros cada, os pesquisadores do Chile efetivamente criaram um grande radiotelescópio com um diâmetro de 70 metros.

Como o telescópio está localizado em um deserto a uma altitude de 5.000 metros, onde a baixa pressão atmosférica impede a equipe de operação de usar discos rígidos para ler dados, o Observatório Astronômico Nacional do Japão também forneceu as tecnologias necessárias para enviar dados para uma instalação em local de menor altitude usando cabos de fibra de luz.

Fonte: Kyodo

https://www.japantimes.co.jp/news/2019/04/13/national/science-health/japanese-scientists-play-role-capturing-first-photo-black-hole/#.XLKGEehKg2w

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.