Como o risco de câncer aumenta entre o envelhecimento da população do país, imunologista Tasuku Honjo deposita suas esperanças em tratamentos de câncer que mudam a abordagem dos métodos tradicionais visando diretamente as células cancerosas para aqueles que estimulam o sistema imunológico do organismo para combater a doença.

Nobel Honjo, de 77 anos, acredita que sua pesquisa pode ajudar a trazer uma cura – ou pelo menos transformar o câncer em uma doença crônica não fatal -, mas ainda não se sabe se a imunoterapia pode se tornar uma opção de tratamento de primeira linha.

A descoberta de uma proteína chamada PD-1 por Honjo e sua equipe em 1992 levou ao desenvolvimento da droga Opdivo, um inibidor do checkpoint imunológico que pode acionar o sistema imunológico para atacar as células cancerígenas, atacando e bloqueando o PD-1.

Honjo foi conjuntamente premiado com o Prêmio Nobel 2018 de fisiologia ou medicina por sua contribuição à terapia do câncer, na qual ele mostrou como a proteína que descobriu poderia funcionar como um freio ao sistema imunológico. Seu colega beneficiário, o cientista de imunoterapia americano James Allison, foi reconhecido por seu estudo de outra molécula de frenagem.

Professor e vice-diretor-geral do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de Kyoto, Honjo deu uma palestra e participou de uma discussão com outros ganhadores do Prêmio Nobel durante o último Diálogo do Prêmio Nobel, realizado no Japão sob o tema “A Idade”. Na qual participaram vários formuladores de políticas, pesquisadores, estudantes e o público em geral.

“Discutir o envelhecimento das populações é um tema altamente atual, especialmente em um contexto japonês, já que o país está passando por uma extrema mudança demográfica”, disse Laura Sprechmann, CEO da Nobel Media, em um comunicado.

O envelhecimento demográfico não é exclusivo do Japão e se tornou um fenômeno global, no entanto, o país em 2005 tornou-se o país com a maior proporção de idosos entre os principais países, segundo dados do governo.

O câncer é frequentemente considerado uma doença relacionada à idade, pois numerosos estudos indicam que os riscos de seu desenvolvimento aumentam com a idade devido a mutações genéticas acumuladas, entre outros fatores, como a deterioração da imunidade relacionada ao envelhecimento.

À medida que as pessoas envelhecem, seu timo, que produz células T que matam células disfuncionais ou agentes estranhos, encolhe, deixando os seres humanos mais suscetíveis a infecções e cânceres.

Mas Honjo disse que pode um dia imaginar um cenário em que as pessoas, particularmente os idosos, possam viver suas vidas normalmente e sem dor, apesar de terem câncer.

Ele destacou três pontos fortes de imunoterapia, que se desenvolveram a partir de sua descoberta do PD-1.

Primeiro de tudo, ele alega que seu tratamento “tem o potencial de ser eficaz contra todos os tipos de câncer”.

“Também causa relativamente menos dor aos pacientes” em comparação com outros tratamentos de câncer, apontando que as células normais não são afetadas pela imunoterapia.

“Em terceiro lugar, pode trazer uma cura completa”, disse Honjo, ressaltando que o câncer não voltou a ocorrer em alguns pacientes, mesmo depois que eles pararam de receber a terapia. Ele disse que há muitos casos em que os pacientes não tiveram recidiva de câncer por cinco anos.

De acordo com Honjo, a terapia de bloqueio PD-1 foi aprovada para tratar mais de uma dúzia de cânceres diferentes.

Os cânceres aprovados para o tratamento entre 2014 e 2018 incluem câncer de melanoma, pulmão e colo-retal, bem como todos os cânceres altamente mutados, independentemente do órgão de onde são originários.

“A terapia (bloqueio PD-1) é particularmente eficaz contra cânceres altamente mutados. É muito significativo (desenvolvimento)… que nos tornamos capazes de tratar vários tipos de cânceres que excedem um certo nível em mutações com a terapia”, disse Honjo.

Naturalmente, os pacientes reagirão de maneira diferente à imunoterapia com base nas diferenças na resposta imunológica, disse ele.

Ele observou que aumentar a taxa de resposta dos pacientes à terapia de bloqueio do PD-1 é uma área de melhoria que visa tornar a terapia uma opção de tratamento de primeira linha, acrescentando que estudos ainda estão em andamento para descobrir quais tipos de pacientes respondem melhor.

Há também alguns efeitos colaterais relacionados ao sistema imunológico à imunoterapia, embora sejam menos graves do que os tratamentos tradicionais contra o câncer, disse ele. Ele citou a falta de conhecimento sobre a imunidade como sendo uma das razões pelas quais os efeitos adversos podem ser negligenciados.

Sintomas comuns de efeitos colaterais incluem fadiga, erupções cutâneas e diarreia.

Ele também expressou preocupações sobre o futuro da pesquisa científica básica no Japão, dizendo que é essencial criar um ambiente em que jovens pesquisadores, especialmente na faixa dos 30 anos, possam se envolver mais livremente na pesquisa que desejarem.

Fonte: KYODO

https://www.japantimes.co.jp/news/2019/04/03/national/science-health/immunotherapy-key-brighter-future-cancer-patients-japans-aging-society/#.XKTH0phKjIU.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.