1.672 visualizações 5 min 0 Comentário

Cientistas chineses desenvolvem a cura da Covid-19

- 20 de maio de 2020

PEQUIM – Um laboratório chinês está desenvolvendo um medicamento que acredita ter o poder de interromper a pandemia de coronavírus.

O surto surgiu na China no final do ano passado, antes de se espalhar pelo mundo, levando uma corrida internacional a encontrar tratamentos e vacinas.

Uma droga testada por cientistas da prestigiada Universidade de Pequim, na China, pode não só reduzir o tempo de recuperação dos infectados, mas também oferecer imunidade a curto prazo contra o vírus, dizem os pesquisadores.

Sunney Xie, diretor do Centro de Inovação Avançada para Genômica da Universidade de Pequim, disse que a droga foi bem-sucedida na fase de testes em animais.

“Quando injetamos anticorpos neutralizantes em camundongos infectados, após cinco dias a carga viral foi reduzida em um fator de 2.500”, disse Xie.

“Isso significa que esta droga em potencial tem (a) efeito terapêutico”.

A droga usa anticorpos neutralizantes – produzidos pelo sistema imunológico humano para prevenir as células infectantes do vírus – que a equipe de Xie isolou do sangue de 60 pacientes recuperados.

Um estudo sobre a pesquisa da equipe, publicado domingo na revista científica Cell, sugere que o uso dos anticorpos fornece uma “cura” potencial para a doença e reduz o tempo de recuperação.

Xie disse que sua equipe estava trabalhando “dia e noite” procurando o anticorpo.

“Nossa experiência é genômica unicelular, e não imunologia ou virologia.

Ele disse esperar que a droga esteja pronta para uso ainda este ano e a tempo de qualquer possível surto do vírus no inverno, que já infectou 4,8 milhões de pessoas em todo o mundo e matou mais de 315.000.

“O planejamento do ensaio clínico está em andamento”, disse Xie, acrescentando que ele será realizado na Austrália e em outros países, já que os casos diminuíram na China, oferecendo menos cobaias humanas para testes.

“A esperança é que esses anticorpos neutralizantes possam se tornar um medicamento especializado que interrompa a pandemia”, disse ele.

A China já possui cinco potenciais vacinas contra o coronavírus na fase de testes em humanos, informou uma autoridade de saúde na semana passada.

Mas a Organização Mundial da Saúde alertou que o desenvolvimento de uma vacina pode levar de 12 a 18 meses.

Os cientistas também apontaram os benefícios potenciais do plasma – um fluido sanguíneo – de indivíduos recuperados que desenvolveram anticorpos contra o vírus, permitindo que as defesas do corpo o atacassem.

Mais de 700 pacientes receberam terapia com plasma na China, um processo que, segundo autoridades, mostrou “efeitos terapêuticos muito bons”.

“No entanto, o fornecimento de plasma é limitado”, disse Xie, observando que os 14 anticorpos neutralizantes usados ​​em seus medicamentos podem ser rapidamente colocados em produção em massa.

O uso de anticorpos em tratamentos não é uma abordagem nova e tem sido bem-sucedida no tratamento de vários outros vírus, como HIV, Ebola e Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS).

Xie disse que seus pesquisadores “começaram cedo” desde que o surto começou na China antes de se espalhar para outros países.

O Remdesivir, medicamento contra o ebola, foi considerado um tratamento inicial esperançoso para o COVID-19 – os ensaios clínicos nos EUA mostraram que reduziu o tempo de recuperação em alguns pacientes em um terço, mas a diferença na taxa de mortalidade não foi significativa.

O novo medicamento pode até oferecer proteção de curto prazo contra o vírus.

O estudo mostrou que, se o anticorpo neutralizante foi injetado antes que os camundongos fossem infectados com o vírus, eles permaneciam livres da infecção e nenhum vírus era detectado.

Isso pode oferecer proteção temporária aos trabalhadores médicos por algumas semanas, que Xie disse que espera “estender por alguns meses”.

Mais de 100 vacinas para COVID-19 estão sendo trabalhadas globalmente, mas, como o processo de desenvolvimento de vacinas é mais exigente, Xie espera que o novo medicamento seja uma maneira mais rápida e eficiente de interromper a marcha global do coronavírus.

“Poderíamos parar a pandemia com um medicamento eficaz, mesmo sem uma vacina”, disse ele.

Portal Mundo-Nipo
Sucursal Japão Tóquio
Jonathan Miyata