Início Mundo Crime Facebook remove mais de 3 bilhões de contas falsas em seis meses

Facebook remove mais de 3 bilhões de contas falsas em seis meses

135
0
Mobizoo

 Facebook removeu mais de 3 bilhões de contas falsas de outubro a março, o dobro dos seis meses anteriores, informou a empresa nesta quinta-feira.




 

Quase todos eles foram capturados antes de terem a chance de se tornarem usuários “ativos” da rede social.

Em um novo relatório, o Facebook disse que viu um “aumento acentuado” na criação de contas falsas e abusivas. Enquanto a maioria dessas contas falsas foram bloqueadas “dentro de minutos” de sua criação.

Como resultado, a empresa estima que 5% de seus 2,4 bilhões de usuários ativos mensais são contas falsas, ou cerca de 119 milhões. Isso é de cerca de 3% a 4% no relatório anterior de seis meses.

O aumento mostra os desafios que o Facebook enfrenta na remoção de contas criadas por computadores para espalhar spam, notícias falsas e outros materiais questionáveis. Mesmo que as ferramentas de detecção do Facebook melhorem, o mesmo acontece com os esforços dos criadores dessas contas falsas.

Os novos números surgem à medida que a empresa enfrenta desafios após desafios, desde notícias falsas até o papel do Facebook na interferência de eleições, discursos de ódio e incitação à violência nos EUA, em Mianmar, na Índia e em outros lugares.

O Facebook também disse na quinta-feira (23) que removeu mais de 7 milhões de posts, fotos e outros materiais porque violou suas regras contra o discurso de ódio.

O Facebook emprega milhares de pessoas para revisar postagens, fotos, comentários e vídeos por violações. Algumas coisas também são detectadas sem seres humanos, usando inteligência artificial. Ambos os seres humanos e a IA cometem erros, e o Facebook tem sido acusado de preconceito político, bem como de remoção de post-ups de discursos discutindo assuntos relacionados a preconceito.

Um problema espinhoso para o Facebook é a falta de procedimentos para autenticar as identidades daqueles que configuram contas. Apenas nos casos em que um usuário foi inicializado do serviço e ganhou um recurso para ser reintegrado, ele solicita a exibição de documentos de identificação.

Enquanto alguns defendem uma autenticação mais rigorosa nos serviços de mídia social, a questão é espinhosa. Pessoas como o relator de livre-expressão da ONU, David Kaye, dizem que é importante permitir o uso de pseudônimo online para ativistas de direitos humanos e outras pessoas cujas vidas poderiam estar ameaçadas.

E mesmo que apenas 5 milhões de contas tenham escapado pelas rachaduras, acrescentou Ghosh, quanto discurso de ódio e desinformação estão se espalhando por bots “que subvertem o processo democrático injetando caos em nosso discurso político?”

“A única maneira de resolver esse problema a longo prazo é que o governo intervenha e imponha transparência a essas operações de plataforma e privacidade para o consumidor final”, disse ele.

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, pediu regulamentação governamental para decidir o que deve ser considerado conteúdo prejudicial e outras questões. Mas pelo menos nos EUA, a regulamentação governamental do discurso pode se deparar com os obstáculos da Primeira Emenda.

E o que a regulamentação pode parecer – e se as empresas, os legisladores, os defensores da privacidade e da liberdade de expressão e outros concordam sobre como deve ser – não está claro.

O Facebook atribuiu o aumento nas contas removidas a “ataques automatizados por agentes mal-intencionados que tentam criar grandes volumes de contas ao mesmo tempo”. A empresa se recusou a dizer de onde esses ataques se originaram, apenas que eles eram de diferentes partes do mundo.

Fonte: Mundo-Nipo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here