Início Destaques Japão Filmes LGBT no Japão ganham espaço

Filmes LGBT no Japão ganham espaço

1154
0
Filmes com cunho LGBT passam a ser difundidos num país com cultura conservadora. Foto: Letibee Lite

Qual foi o primeiro filme com tema LGBTQ do Japão?

Um dos candidatos mais citados é o melodrama de 1959 de Keisuke Kinoshita, Farewell to Spring, embora mais pelos laços emocionais entre os jovens protagonistas masculinos do que por qualquer coisa explicitamente erótica.

Mais honesto em seu tratamento – e mais aclamado pela crítica – é o “Funeral Parade of Roses” (1969), de Toshio Matsumoto, uma reformulação do mito de Édipo no meio contracultural de Tóquio e protagonizado por pioneirismo gay multitalento. Shinnosuke Ikehata, também conhecido como Peter.

Mais de uma década depois, “Afternoon Breezes” (“Kazetachi no Gogo”), de Hitoshi Yazaki, também abriu novos caminhos com a história do amor não correspondido de uma jovem lésbica por sua colega de quarto heterossexual. Essa paixão a leva a atos desesperados, como dormir com o namorado libertino do parceiro para forçar um rompimento e, quando isso falha, perseguir a colega de quarto sozinha. A heroína – a de olhos arregalados Natsuko (Setsuko Aya) – está claramente iludida sobre suas chances com a companheira de quarto – a legal e estilosa Mitsu (Naomi Ito), mas não consegue deixar de sonhar com o romance no sensual verão de Tóquio.

Filmado por Yazaki quando ainda era estudante do programa de cinema da Nihon University, o filme não teve o tema encontrado na pornografia softcore da época, mas estabeleceu um recorde de house depois de ser inaugurado no Tokyo Forum, em dezembro de 1980. Posteriormente jogou em todo o país e em festivais no exterior.

Apesar desse sucesso, Yazaki não dirigiu mais um longa-metragem até “March Comes in a Like Lion”, seu drama de 1992 sobre a relação incestuosa entre uma jovem de espírito livre e seu irmão mais velho amnésico. Convidado para dezenas de festivais no Japão e em todo o mundo, o filme tornou-se outro sucesso indie nos cinemas e impulsionou Yazaki para a vanguarda do New Wave japonês da década.

Começando com “March Comes in Like a Lion”, eu revi muito do trabalho de Yazaki para este jornal, incluindo seu filme de amizade feminino “Strawberry Shortcakes” (2005) e seu drama de separação conjugal “Sweet Little Lies” (2009), mas nunca entrevistei o próprio Yazaki até que seu publicista me contatou sobre o recente relançamento de “Afternoon Breezes” em uma versão digitalmente restaurada.

Conhecer Yazaki no cinema de K em Shinjuku – um dos dois teatros de Tóquio que começaram a exibir o filme a partir de março – lembrei-lhe que tínhamos sido apresentados há muito tempo em um evento de cinema, um encontro que ele não havia surpreendido.

Ele então acendeu um cigarro – o primeiro de muitos – e começou a relembrar seu filme de estreia, agora com 39 anos.

“Foi um tema chocante para o seu tempo”, diz ele. “Mas eu não quis dizer especialmente que o filme seja chocante. As pessoas ao meu redor construíram dessa forma, mas eu só queria investigar o amor de uma pessoa por outra. Os sexos dos envolvidos não tinham nada a ver com isso.

Desde que ele era um estudante na época, eu me perguntei se ele enfrentou alguma oposição de seus professores ou autoridades escolares em relação ao seu tema. “Eu estava estudando no curso de roteiro”, diz ele com um sorriso. “A escola ficou mais surpresa com o fato de eu dirigir (o filme). O assunto não os incomodou.

Yazaki também escreveu o roteiro, inspirado em uma reportagem contemporânea sobre uma cabeleireira que veio de Okinawa a Tóquio e morreu de fome em seu apartamento. Seu fim se reflete no destino da heroína lésbica.

“Não é exatamente o mesmo que suicídio”, diz Yazaki. “Eu penso nisso como uma maneira de você escolher morrer. Mas naquela época a maioria das pessoas estava apenas tentando viver normalmente. Que alguém escolheria morrer de fome em uma cidade como Tóquio realmente me chocou”.

Em vez de expressar esse choque através das explicações do típico “filme problemático” da época, Yazaki desnudou seu diálogo ao mínimo necessário.

“Eu queria fazer um filme que te permitisse redescobrir o que é ver”, diz ele. “O cinema é um meio pelo qual você pode sentir algo apenas vendo. Quando (‘Breezes da tarde’) foi exibido pela primeira vez no exterior, não tinha legendas em inglês. Para mim, é mais importante para o público sentir do que entender”.

Na época, o próprio Yazaki estava fazendo filmes clássicos do passado como parte de seus estudos.

“Fazer um novo filme foi como jogar uma bola atrás depois de tê-lo jogado para mim por esses outros filmes maravilhosos”, diz ele. “Eu senti que tinha que fazer isso. Eu tinha um forte desejo de fazer algo – eu não pude resistir.

Entre seus favoritos estavam os trabalhos de Yuzo Kawashima e Seijun Suzuki, que criaram identidades distintas enquanto faziam filmes comerciais para grandes estúdios nos anos 50 e 60. Mas Yazaki me diz que ele também “rejeitou fortemente” os grandes filmes comerciais da época.

“Eles ainda são a norma até agora. De certa forma, eles me deram a energia para continuar dirigindo”, acrescenta.

Feita quando o Japão estava à beira de sua economia de bolhas, “Afternoon Breezes” é um vislumbre nostálgico (embora às vezes perturbador) de uma era desaparecida, mas dada a crescente atenção às questões LGBTQ agora na mídia japonesa e on-line, sugiro que seja também oportuna. No entanto, Yazaki diz que “desde que o coração da heroína é motivado pelo amor, ao fazer o filme eu não senti que tinha que responder a algo como LGBTQ – um termo que não existia então. Este filme gira em torno de duas mulheres, mas para mim dois homens também teriam resultados semelhantes. É uma história sobre duas pessoas.

Quando o filme foi exibido pela primeira vez no exterior, ele acrescenta, a resposta foi “muito boa”, mas ele ficou muito satisfeito com um crítico de cinema de Nova York que escreveu que “o diretor (Yazaki) criou um filme em que o fato de ser homem ou feminino é irrelevante”.

Ele também se lembra de um encontro com um membro do público no Festival de Edimburgo que lhe disse que ela era lésbica e que “Afternoon Breezes” não era um filme lésbico: “Minha resposta foi: ‘Você está exatamente certo’”.

Fonte: Mark Schilling

https://www.japantimes.co.jp/culture/2019/04/03/films/afternoon-breezes-hitoshi-yazakis-pioneer-japanese-lgbtq-cinema-revisited/#.XKp9qZhKg2w.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here