182 visualizações 5 min 0 Comentário

Honda impulsionará as ambições do título de F1 da Aston Martin a partir de 2026

- 24 de maio de 2023

Crédito: Japan Times – 24/05/2023 – Quarta

A Honda retornará à Fórmula 1 como uma fabricante de motores totalmente desenvolvida, alimentando as ambições de título da Aston Martin quando o esporte entrar em uma nova era em 2026, anunciou a montadora japonesa na quarta-feira.

A nova parceria “funciona” transformará a Aston Martin, com sede em Silverstone, no único foco da Honda no grid de largada, de sua posição atual como uma das quatro equipes com motores Mercedes.

“É muito, muito difícil ganhar campeonatos de forma consistente sem uma relação de trabalho completa, e é por isso que tomamos essa decisão”, disse Martin Whitmarsh, CEO de tecnologias de desempenho do Grupo Aston Martin, a repórteres.

O presidente da Honda Racing Corporation (HRC), Koji Watanabe, confirmou que o fabricante não tem planos de fornecer unidades de energia para outras equipes.

A Honda retirou-se oficialmente da Fórmula 1 em 2021, mas continuou a fornecer motores para a atual campeã mundial Red Bull, que já anunciou um acordo com a Ford a partir de 2026, sob um acordo de suporte técnico.

O CEO Toshihiro Mibe disse que os regulamentos de 2026 e o ​​esforço da Fórmula 1 pela sustentabilidade estão alinhados com as metas de neutralidade de carbono da Honda.

“A chave para a vitória será um motor elétrico compacto, leve e de alta potência com uma bateria de alto desempenho capaz de lidar com alta e rápida saída de energia, bem como a tecnologia de gerenciamento de energia”, disse Mibe.

“Acreditamos que as tecnologias e know-how adquiridos com este novo desafio podem potencialmente ser aplicados diretamente em nossos futuros veículos elétricos de produção em massa, como um modelo esportivo elétrico e tecnologias de eletrificação em várias áreas”.

A unidade de potência de 2026 da Fórmula 1 usará combustíveis 100% sustentáveis ​​e terá um componente elétrico muito maior, com o objetivo do esporte de ser neutro em carbono até 2030.

A Aston Martin, com sede em Silverstone, pertence ao bilionário canadense Lawrence Stroll e está em segundo lugar no campeonato após cinco das 22 corridas, com o espanhol Fernando Alonso conquistando quatro terceiros lugares.

Stroll investiu pesadamente, construindo uma nova fábrica e túnel de vento e recrutando funcionários de alto escalão de equipes rivais, ao mesmo tempo em que atraiu importantes patrocínios da Cognizant e da Saudi Aramco.

“A Aston Martin Aramco Cognizant está construindo uma equipe para vencer na Fórmula 1”, disse o ex-diretor da McLaren Whitmarsh, que foi fundamental para trazer a Honda de volta à equipe em 2015, mas saiu antes do início da parceria malfadada. “Este é um passo extremamente emocionante e importante para a equipe.

“Está claro para nós e para a Honda que os regulamentos da Fórmula 1 de 2026 exigirão a integração total do chassi e PU (unidade de potência) que somente um relacionamento completo de equipe de trabalho oferece.

“Portanto, ter essa parceria nos coloca em posição de disputar campeonatos.”

Alpine, Audi, Ferrari, Mercedes-AMG High Performance Powertrains e Red Bull Ford serão os outros fabricantes de motores a partir de 2026.

O rompimento com a Mercedes significará que a Aston Martin terá que construir suas próprias caixas de câmbio e suspensão traseira, mas Whitmarsh disse que tudo isso faz parte de “crescer” como uma equipe e se tornar verdadeiramente independente.

“Você se propõe a vencer na Fórmula 1 e isso significa vencer os parceiros existentes e, para isso, temos que ser independentes”, disse ele.

“Estamos construindo ótimas instalações e nos afastando progressivamente de nossa dependência da Mercedes-Benz.”

Whitmarsh disse que a equipe continuará a competir como Aston Martin depois de 2026.

Foto: Japan Times ((Da esquerda) Toshihiro Mibe, CEO da Honda Motor, Koji Watanabe, presidente da Honda Racing Corporation, Lawrence Stroll, presidente da equipe de Fórmula 1 da Aston Martin Aramco Cognizant, e Martin Whitmarsh, CEO do grupo Aston Martin Performance Technologies, posam para fotos em uma coletiva de imprensa anunciando sua próxima parceria com a equipe de Fórmula 1 na quarta-feira. | REUTERS)

Comentários estão fechados.