OSAKA – Hospitais em Osaka estão sofrendo com uma enorme onda de novas infecções por coronavírus e ficando sem leitos e ventiladores enquanto médicos exaustos alertam sobre um “colapso do sistema” e desaconselham a realização das Olimpíadas neste verão.

A Prefeitura de Osaka, onde vivem 9 milhões de pessoas, está sofrendo o impacto da quarta onda da pandemia, responsável por um terço do número de mortos do país em maio, embora constitua apenas 7% de sua população.

A velocidade com que o sistema de saúde de Osaka ficou sobrecarregado ressalta os desafios de sediar um grande evento esportivo global em dois meses, especialmente porque apenas cerca de metade da equipe médica do Japão está totalmente vacinada.

“Simplificando, este é um colapso do sistema médico”, disse Yuji Tohda, diretor do Hospital Universitário Kindai em Osaka. “A variante britânica altamente infecciosa e o estado de alerta lento levaram a esse crescimento explosivo no número de pacientes.”

O Japão evitou as grandes infecções sofridas por outras nações, mas a quarta onda pandêmica tomou de assalto a Prefeitura de Osaka, com 3.849 novos testes positivos na semana passada.

Isso representa um salto de mais de cinco vezes em relação ao período correspondente de três meses atrás.

Apenas 14% dos 13.770 pacientes com COVID-19 da prefeitura foram hospitalizados, deixando a maioria por conta própria. A taxa de hospitalização mais recente de Tóquio, em comparação, é de 37%.

Um painel consultivo do governo vê taxas inferiores a 25% como um gatilho para considerar a imposição de um estado de emergência.

Na quinta-feira, 96% dos 348 leitos de hospital que Osaka reserva para casos graves de vírus estavam em uso. Desde março, 17 pessoas morreram da doença fora dos hospitais da prefeitura, disseram as autoridades neste mês.

A variante pode deixar até mesmo os jovens muito doentes rapidamente e, uma vez gravemente doentes, os pacientes têm dificuldade em se recuperar, disse Toshiaki Minami, diretor do Hospital da Universidade Médica e Farmacêutica de Osaka (OMPUH).

“Acredito que até agora muitos jovens se achavam invencíveis. Mas não pode ser o caso desta vez. Todos estão assumindo o risco igualmente. ”

Minami disse que um fornecedor disse recentemente a ele que os estoques de propofol, uma droga-chave usada para sedar pacientes intubados, estão diminuindo, enquanto o hospital de Tohda está com falta de ventiladores vitais para pacientes com COVID-19 gravemente enfermos.

Cuidar de pacientes gravemente enfermos em face do risco de infecção teve um impacto sério na equipe, disse Satsuki Nakayama, chefe do departamento de enfermagem da OMPUH.

“Tenho alguns funcionários da unidade de terapia intensiva (UTI) dizendo que chegaram a um ponto de ruptura”, acrescentou ela. “Eu preciso pensar em mudanças de pessoal para trazer pessoas de outras alas de hospitais.”

Cerca de 500 médicos e 950 enfermeiras trabalham na OMPUH, que administra 832 leitos. Dez de seus 16 leitos de UTI são dedicados a pacientes com vírus. Vinte dos cerca de 140 pacientes graves atendidos pelo hospital morreram na UTI.

Yasunori Komatsu, que dirige um sindicato de funcionários do governo regional, disse que as condições também eram terríveis para enfermeiras de saúde pública em centros de saúde locais, que fazem a ligação entre pacientes e instituições médicas.

“Alguns deles estão acumulando 100, 150, 200 horas extras, e isso já está acontecendo há um ano … quando estão de serviço, às vezes vão para casa à uma ou duas da manhã e vão para a cama apenas para ser acordado por um telefonema às três ou quatro. ”

Profissionais médicos com experiência em primeira mão na luta de Osaka contra a pandemia têm uma visão negativa sobre a realização dos Jogos de Tóquio, programados para acontecer de 23 de julho a 8 de agosto.

“As Olimpíadas deveriam ser interrompidas, porque já não conseguimos interromper o fluxo de novas variantes da Inglaterra, e em seguida pode haver um influxo de variantes indianas”, disse Akira Takasu, chefe de medicina de emergência da OMPUH.

Ele estava se referindo a uma variante encontrada pela primeira vez na Índia que a Organização Mundial da Saúde (OMS) designou como sendo preocupante depois que estudos iniciais mostraram que ela se espalhou com mais facilidade.

“Nas Olimpíadas, 70.000 ou 80.000 atletas e pessoas de todo o mundo virão para este país. Isso pode ser o gatilho para outro desastre no verão. ”

Portal Mundo-Nipo
Sucursal Japão Osaka
Harumi Matsunaga

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here