787 visualizações 3 min 0 Comentário

Índice desempregados e desocupados no Japão salta para 11.5%

- 7 de junho de 2020

Estatística da semana passada mostraram que a taxa de desemprego subiu para apenas 2,6% em abril, um número de inveja para outros países, à medida que as taxas de desemprego disparam em todo o mundo em meio à pandemia. O problema é que os números não incluem mais 4,2 milhões de pessoas que ainda estão tecnicamente ligadas a seus empregadores, mas que na verdade não estão trabalhando e que podem não estar recebendo auxílio governamental.

O fator nessas pessoas e a taxa de desemprego saltariam para 11,5%. Considere então que outras 940.000 pessoas deixaram a força de trabalho em abril e também não são consideradas nas estatísticas. Em resumo, um quadro sombrio de empregos entra em foco um pouco mais próximo do que atingiu os EUA e outras grandes economias.

“A realidade é que você não deve olhar para a taxa de desemprego” para avaliar o que realmente está acontecendo no mercado de trabalho do Japão, disse o economista Takuya Hoshino, do Instituto de Pesquisa em Vida Dai-ichi.

Sempre há um certo número de trabalhadores que estão de licença porque seus empregadores têm menos trabalho para eles, ou devido a doenças ou cuidados familiares. A lei exige que as empresas paguem a esses trabalhadores pelo menos 60% de seus salários.

Agora, porém, o número de pessoas tecnicamente empregadas, mas que não estão trabalhando, aumentou de cerca de 1,8 milhão há um ano para 6 milhões em abril.

Embora o governo tenha aumentado os subsídios para férias remuneradas até setembro, a execução tem sido irregular. Na quarta-feira, o ministério do trabalho havia processado apenas cerca de metade das cerca de 100.000 solicitações de empresas durante a crise, segundo dados do ministério.

Hoshino diz que a taxa oficial de emprego pode subir em até 6 pontos percentuais se as empresas fecharem seus negócios e seus trabalhadores forçados acabarem sem empregos para os quais voltar. Esse é um grande risco, porque indústrias intensivas em mão-de-obra, como restaurantes e hotéis, foram atingidas com força pela crise.

“Durante a grande crise financeira, foram os fabricantes que levaram o maior sucesso”, disse ele. Dada a natureza de mão-de-obra pesada das indústrias de serviços sendo atingida agora, “o mercado de trabalho pode ficar muito pior”.

Portal Mundo-Nipo
Sucursal Japão Osaka
Harumi Matsunaga