165 visualizações 9 min 0 Comentário

Influência de Daido Moriyama, 60 Anos de Fotografia Urbana em Exposição

- 26 de maio de 2024

Explore 200 Obras de Daido Moriyama na Galeria K1 em Helsinque.

HELSÍNQUIA – Durante 60 anos, o fotógrafo Daido Moriyama, de 85 anos, tem influenciado fotógrafos de todo o mundo com sua produção prolífica de imagens urbanas e corajosas e seu compromisso de compartilhar seu trabalho através da autopublicação. “Daido Moriyama: A Retrospective”, atualmente em exposição em Helsínquia, na galeria K1 do Museu Finlandês de Fotografia, no centro comercial Kamp Galleria, tenta resumir todas as seis décadas com 200 obras, duas instalações de vídeo e alguns dos raros álbuns e revistas do fotógrafo. Ao fazê-lo, consegue criar uma visão geral coesa, mas um tanto lotada, da carreira de Moriyama para sua primeira retrospectiva na Finlândia.

“O que queríamos fazer neste pequeno espaço é ter o máximo de imagens disponíveis”, explica o curador do K1, Paivio Maurice Omwami, acrescentando que ele e sua equipe trabalharam com o curador brasileiro Thyago Nogueira, do Instituto Moreira Salles, para adaptar a ampla retrospectiva para o espaço subterrâneo limitado da galeria no centro de Helsinque, após a exposição de quatro meses na The Photographer’s Gallery, em Londres. “O ritmo é bastante intenso em alguns momentos, mas permite que o público diga: ‘OK, voltarei em outro momento para ver todo esse trabalho novamente.’”

A exposição inclui uma seleção de Provoke, uma dōjinshi (revista autopublicada) fundada em 1968, na qual Moriyama trabalhou com seus compatriotas Takuma Nakahira, Takahiko Okada, Yutaka Takanashi e Koji Taki. A publicação apresentava a fotografia não como uma forma de arte objetiva, mas como um meio interpretativo, autoexpressivo e não aperfeiçoado. Apesar de apenas três edições originais (com tiragens de 1.000 exemplares cada), Provoke permanece como um dos primeiros e mais influentes exemplos da cultura “zine”, que tem visto um ressurgimento no mundo da fotografia nos últimos anos.

A revista definiria o estilo da fotografia de rua japonesa do pós-guerra nas décadas de 1970 e 1980, agora conhecida como Provoke Era. “Daido Moriyama: A Retrospective” dá aos espectadores a oportunidade de examinar em primeira mão essas publicações raras.

O compromisso contínuo de Moriyama com a autopublicação é apresentado em uma impressionante instalação de vídeo de sua atual revista de fotografia, Kiroku (Record), lançada em 1972. Apenas cinco edições foram publicadas entre 1972 e 1973, mas desde 2006, a revista publicou duas ou mais três vezes por ano, com algumas edições apresentando o trabalho colorido de Moriyama.

A experiência imersiva ocupa uma sala inteira, permitindo que o público caminhe virtualmente pelas ruas do Japão de Moriyama. Em duas paredes, imagens aparecem e desaparecem para criar uma colagem projetada em constante mudança de centenas de fotografias publicadas em mais de 50 edições de Kiroku.

“Moriyama passou sua carreira fazendo uma pergunta fundamental: Qual é a essência da fotografia?” escreve Nogueira nas notas da exposição sobre o foco da mostra na prática altamente iterativa de Moriyama. “Ele rejeitou o dogmatismo da arte e a fetichização das impressões vintage, abraçando em vez disso os aspectos acessíveis e reprodutíveis da fotografia como o seu trunfo mais radical.”

A influência de Moriyama entre os fotógrafos europeus é evidente. Seu estilo distinto inspirou o impressionante trabalho em preto e branco de fotógrafos nórdicos, como o sueco Anders Petersen e Jacob Aue Sobol, da Dinamarca, bem como fotógrafos franceses contemporâneos focados no Japão, como Chloe Jafe e Maki, e inúmeros outros.

Fora da galeria, a primeira retrospectiva de Moriyama na Finlândia faz com que fotógrafos locais se perguntem se a abordagem não calculada usada em sua fotografia de rua crua poderia desencadear um estilo alternativo em Helsinque, onde uma tradição de fotografia artística mais refinada de fotógrafos e gravadores como Pentti Sammallahti é o modelo estabelecido para o sucesso.

O fotógrafo Filippo Zambon, nascido na Itália e radicado em Helsinque, diz que o estilo de vida fotográfico instintivo e despretensioso de Moriyama é algo que a cena fotográfica finlandesa faria bem em abraçar.

“Fotógrafos japoneses como Moriyama parecem ter transcendido a necessidade de ‘construir’ uma imagem – a imagem já está lá”, diz ele. “O fotógrafo tem que transcender a si mesmo para poder ver.”

Zambon também afirma que a natureza altamente acadêmica da cena artística na Finlândia e noutros países nórdicos, financiada por bolsas generosas mas altamente competitivas, pode fazer com que a fotografia seja considerada apenas como uma ferramenta ao serviço dos artistas.

“A cena fotográfica aqui é totalmente oposta (à prática intuitiva de Moriyama)”, diz Zambon. “A fotografia em Helsinque pode ser algo como ‘primeiro sou um artista. Eu tenho um projeto. Eu faço pesquisas. Talvez eu escreva um livro ou uma tese sobre isso. Depois faço uma proposta e solicito uma bolsa.

“O meio fotográfico não é (visto como) uma ferramenta de pesquisa e interrogação. A fotografia (como Moriyama a pratica) é mais uma extensão da compreensão da realidade. Um fotógrafo só pode fazer um trabalho assim abandonando todas essas construções acadêmicas.”

A cineasta e fotojornalista Heidi Piiroinen, que fotografou hotéis para casais no Japão para seu projeto “The End of Love”, diz que a disposição de Moriyama de explorar os lados mais sombrios da natureza humana por meio da fotografia ressoa mais nela.

“Trabalho sempre a nível pessoal. Tentando encontrar uma conexão. Grande parte da minha fotografia trata de compartilhar nossas sombras, nossa solidão e criar arte a partir da dor”, diz Piiroinen. “A câmera pode dar ao fotógrafo uma desculpa para estar lá, e Moriyama parece ter um nível de integridade – há uma honestidade em seu trabalho que respeito.”

É essa integridade artística percebida e uma visão singular para a fotografia e a autopublicação que impulsionam a adoração de Moriyama por parte de seus colegas.

“Daido Moriyama: Uma Retrospectiva” funciona como um palácio da memória, cada imagem revelando outro canto escondido da mente do fotógrafo. Uma riqueza de imagens, separadas por tempo e lugar, se reúnem para criar um registro da vida fotográfica de Moriyama — uma visão geral com curadoria ambiciosa da vida e obra de um dos maiores fotógrafos vivos do Japão.

Logotipo Mundo-Nipo
Autor

**Portal Mundo-Nipo**
Sucursal Japão – Tóquio
contato@mundo-nipo.com.br

Comentários estão fechados.