Início Destaques Japão aceita até 340.000 trabalhadores estrangeiros em 5 anos

Japão aceita até 340.000 trabalhadores estrangeiros em 5 anos

463
0
No ano fiscal de 2019, o número de trabalhadores estrangeiros a serem aceitos é projetado para um total de 47.000. Foto: Coisas do Japão

O Japão é visto aceitando até 340.000 trabalhadores estrangeiros nos cinco anos a partir de quando as revisões planejadas da lei de controle de imigração entrarão em vigor, disseram fontes do governo nesta terça-feira.

No ano fiscal de 2019, o primeiro ano, o número de trabalhadores estrangeiros a serem aceitos sob duas categorias de vistos planejados é projetado para um total de 47.000, no máximo, segundo as fontes.

Em uma reunião plenária da Câmara dos Representantes, que marcou o início dos debates parlamentares sobre as revisões, o primeiro-ministro Shinzo Abe disse que o governo divulgará em breve suas estimativas oficiais de setor por indústria.

Abe deixou claro que o governo considerará os números estimados como “limites máximos” na emissão de novos vistos de trabalho.

Em meio à crescente escassez de mão-de-obra, o governo Abe está ansioso para apresentar as novas categorias de vistos em abril de 2019, promulgando um projeto de lei para revisar a lei de controle de imigração durante a extraordinária sessão da Dieta, atualmente encerrada em 10 de dezembro.

No entanto, os partidos da oposição estão exigindo deliberações completas da Dieta sobre o projeto, acusando o governo de ser lento na preparação de sistemas domésticos para um surto de trabalhadores estrangeiros.

O projeto de lei prevê o estabelecimento de duas categorias de visto para trabalhadores estrangeiros com habilidades designadas “tipo um”, incluindo trabalhadores de colarinho azul e aqueles com habilidades de “tipo dois” mais altas.

Os portadores de visto tipo um poderão permanecer no Japão por até cinco anos no total, mas não poderão trazer suas famílias consigo.

O governo está considerando limitar a aceitação de trabalhadores do” tipo um” a 14 indústrias, incluindo os setores de construção e agricultura.

 Fonte: Yomiuri Shimbun

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here