174 visualizações 4 min 0 Comentário

Japão adota estratégia nacional de fusão nuclear à medida que a competição se intensifica

- 14 de abril de 2023

Crédito: Japan Times – 14/04/2023 – Sexta

O Japão adotou na sexta-feira sua primeira estratégia nacional de fusão nuclear, destacando a necessidade de criar uma indústria doméstica no campo, à medida que a concorrência para desenvolver e comercializar a energia de fusão esquenta em todo o mundo.

A estratégia apela a uma maior participação do setor privado na investigação e desenvolvimento da energia de fusão, considerada a última fonte de energia livre de emissões de dióxido de carbono.

“Vamos elencar como nossa visão a industrialização da energia de fusão, aproveitando a vantagem tecnológica (do país), de forma a aproveitar oportunidades de mercado”, refere o relatório, elaborado pelo Gabinete.

Muitos cientistas dizem que a comercialização da energia de fusão ainda está a décadas de distância. Eles pretendem alcançar a geração de eletricidade por volta de 2050, com a fusão apenas se tornando uma solução climática viável na segunda metade do século. O Japão tem sido um dos principais contribuintes para o Reator Termonuclear Experimental Internacional (ITER), uma colaboração internacional de pesquisa de 35 anos que visa iniciar testes de fusão em 2035.

Mas o ambiente em torno da pesquisa de fusão tem mudado rapidamente nos últimos anos, com investidores no exterior despejando bilhões de dólares em projetos do setor privado que prometem colocar reatores comerciais em operação muito antes do ITER.

Nesse contexto, o relatório diz que o Japão deve adotar uma “abordagem multifacetada” que inclua a criação e o apoio a indústrias locais de energia de fusão, não apenas participando do ITER.

“O Japão desfruta de superioridade tecnológica e confiabilidade na indústria manufatureira, que foram cultivadas por meio de pesquisa e desenvolvimento anteriores, bem como a infraestrutura de pesquisa básica e o sistema de desenvolvimento de recursos humanos que suportam essas vantagens”, afirma o relatório. “Por outro lado, diante da aceleração da situação em outros países, o Japão corre o risco de simplesmente fornecer tecnologia, mas ficar para trás na industrialização e, consequentemente, perder a concorrência no mercado.”

De acordo com a estratégia, o governo estabelecerá um conselho da indústria de fusão até março do próximo ano para desenvolver as indústrias relacionadas, bem como elaborar diretrizes para garantir a segurança da tecnologia de fusão.

O Japão também acelerará a colaboração indústria-academia, com os Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia Quântica, mais conhecidos como QST, desempenhando um papel central, disse o relatório.

Além disso, o governo priorizará a educação em energia de fusão em universidades nacionais para formar especialistas na área e procurar atrair talentos de tais instituições no exterior e de outras disciplinas acadêmicas.

Foto: Japan Times (O JT-60SA, um dispositivo experimental de fusão nuclear no Naka Fusion Institute dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia Quântica em Naka, Ibaraki Prefecture. O Japão adotou na sexta-feira sua primeira estratégia nacional de fusão nuclear, enquanto uma corrida global para desenvolver e comercializar a energia de fusão esquenta. | TOMOKO OTAKE)

Comentários estão fechados.