A Dieta promulgou uma lei de aviação revisada nesta semana que aumenta as punições para os pilotos que voarem sob a influência de álcool ou drogas após uma série de incidentes envolvendo bebidas envolvendo companhias aéreas japonesas.

Segundo a legislação, que entrará em vigor em um ano após seu anúncio oficial, a pena para beber e voar foi aumentada. Antes a pena era de um ano ou multa de ¥ 300.000 e agora após a revisão da lei, a sentença passou a ser de até três anos ou uma multa de ¥ 500.000.


 

As companhias aéreas japonesas já reforçaram as regras de consumo de álcool, introduzindo testes obrigatórios do bafômetro e aliviando os pilotos de suas funções se mesmo um nível muito baixo de álcool for detectado. Aqueles que voam aviões particulares, no entanto, não estão sujeitos às mesmas verificações.e

A legislação também visa melhorar a segurança da aviação antes da entrega prevista para meados de 2020 do Mitsubishi Regional Jet, o primeiro jato comercial de passageiros do Japão.

A lei exige que os fabricantes de aeronaves notifiquem o governo sobre defeitos, com o relatório compulsório como uma forma de garantir que os reparos sejam executados rapidamente.

A legislação também delineou amplos novos requisitos sobre inspeções prévias de drones.

Além disso, é permitido que o governo realize inspeções no local em residências ou escritórios de operadores de drones que causaram acidentes.

A operação de drones sob a influência de álcool será proibida pela lei revisada.

A falha em realizar inspeções prévias adequadas e operações perigosas de drone, como fazer uma descida repentina, estará sujeita a uma multa de até ¥ 500.000.

As regras de voo para drones já foram postas em prática pelo Ministério dos Transportes. Eles incluem restringir sua operação ao dia e exigir que os pilotos mantenham contato visual e assegurem que o drone voe pelo menos 30 metros acima de estruturas, veículos e pessoas.

Fonte: KYODO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.