Início Destaques Japão Japão busca mão de obra estrangeira, mas possui concorrentes na Ásia e...

Japão busca mão de obra estrangeira, mas possui concorrentes na Ásia e Oriente Médio

531
0
As pessoas fazem fila na entrada exclusiva para OFWs (trabalhadores filipinos no exterior) no Aeroporto Internacional de Manila, na capital filipina, recentemente. Foto: Twitter

MANILA – “Sentiremos sua falta. Aguente firme!” Um grito emergiu de um grupo de pessoas quando eles enviaram um homem e uma mulher carregando uma grande quantidade de bagagem no Aeroporto Internacional de Manila, na capital filipina.

Os dois eram chamados de “OFW” – trabalhadores filipinos no exterior – que têm portões especiais e balcões de imigração no aeroporto. As Filipinas, onde a população em idade ativa entre 15 e 64 anos deverá crescer até 2062, tem sido uma fonte internacional de trabalho.

Um desses trabalhadores é Rhea Panganiban, uma mulher de 27 anos e mãe de dois filhos pequenos que atualmente moram em um subúrbio de Manila. Ela planeja trabalhar como governanta residente nos Emirados Árabes Unidos (EAU) em um futuro próximo.

“Será difícil para nós morarmos separados, mas se um de nós trabalhar no exterior, a vida ficará muito mais fácil. Eu ficarei pelo menos por dois anos”, diz ela.

O marido dela, Aries, 28 anos, eletricista, considerou candidatar-se ao programa de estagiários técnicos do Japão, mas desistiu. “Ouvi dizer que o requisito da língua japonesa é bastante difícil”, explicou ele.

Rhea decidiu ir para os Emirados Árabes Unidos porque o inglês, que é a língua oficial nas Filipinas, também é falado lá e obter uma permissão de trabalho é mais fácil.

Nas Filipinas, as altas taxas de desemprego e as diferenças salariais têm levado as pessoas a trabalhar no exterior, principalmente os homens no segmento de construção civil ou tripulação de navios, e as mulheres, muitas vezes, como enfermeiras ou empregadas domésticas. Cerca de 2,34 milhões de filipinos trabalharam no exterior de abril a setembro de 2017, com cerca de 60% indo para o Oriente Médio. A Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e o Kuwait são os principais destinos, seguidos por Hong Kong ou Cingapura. O Japão ocupa o sétimo lugar.

Então, por que o Japão não está atraindo mais trabalhadores filipinos? “Algumas pessoas dizem que querem trabalhar no Japão como estagiário técnico porque é mais próximo e os salários são melhores, mas acabam tendo dúvidas porque leva vários meses para completar a papelada e o treinamento antes de viajar ao Japão”, explicou Nora. Braganza, proprietário da HRD Employment Consultants & Multi-services, Inc. em Manila. “As pessoas que precisam de dinheiro rapidamente escolhem o Oriente Médio porque pode começar a trabalhar dentro de duas a três semanas.”

De acordo com Braganza, alguns foram primeiro para o Oriente Médio, economizaram dinheiro e se tornaram estagiários no Japão, mas muitos foram para o exterior novamente após retorno às Filipinas, incapazes de encontrar bons empregos em casa.

“Os ex-trainees no Japão são populares entre as empresas estrangeiras, pois tendem a ser confiáveis ​​desde o primeiro dia”, disse ela. Os trabalhadores filipinos treinados no Japão são levados para países terceiros.

Bernard Olalia, gestor da Administração Filipina de Emprego no Exterior, diz que o Japão seria um “destino atraente” para os trabalhadores estrangeiros “se fossem tratados igualmente como trabalhadores japoneses e vivessem juntos com os membros da família”. Seu comentário foi uma referência ao novo status de residência planejado do Japão, que não permite que trabalhadores estrangeiros tragam seus familiares durante os primeiros cinco anos de permanência no Japão. No entanto, a administração do primeiro-ministro Shinzo Abe provavelmente não comprometerá esta questão, dizendo que o novo status não é “um programa de imigração”.
O Japão não está sozinho em ser cauteloso em aceitar imigrantes. A Coreia do Sul também limita o período de permanência para trabalhadores em setores como a construção, três anos de acordo com um programa introduzido em 2004. O governo monitora situações de escassez de mão-de-obra por setor e estabelece cotas para trabalhadores estrangeiros. O programa obriga o estado a garantir as mesmas condições de trabalho para os trabalhadores estrangeiros que as suas contrapartes sul-coreanas e fornecer educação linguística. O sistema é muito apreciado pela Organização Internacional do Trabalho.
O Japão está correndo para introduzir um novo programa para aceitar mais trabalhadores estrangeiros em uma tentativa de se manter à frente da competição internacional por trabalhadores estrangeiros. Mas concentrar-se demais em aliviar sua escassez de mão-de-obra não garante que o Japão seja selecionado por esses trabalhadores.
Hideaki Kikuchi, da divisão de pesquisa do Japan Research Institute, apontou que o governo “deve esclarecer os padrões de aceitação para trabalhadores estrangeiros e apoiar programas para eles por governos municipais e empregadores”.
O governo está considerando aceitar mais trabalhadores estrangeiros em 14 setores industriais, incluindo construção e manufatura, mas eles não são as únicas áreas que enfrentam a escassez de trabalhadores. De acordo com um documento de pesquisa do Ministério da Economia, Comércio e Indústria publicado em junho de 2016, as empresas de tecnologia da informação e seus clientes devem ser atingidas com uma escassez de 369.000 trabalhadores em 2020 e 789.000 em 2030, se a indústria continuar crescendo em alta ritmo.

Assegurar os engenheiros de TI tem sido uma meta nacional para a Índia, e o país produziu com sucesso pessoas que ocupam os conselhos de titãs da TI, como Microsoft e Google. Trabalhar nos EUA é um “sonho” para os engenheiros de TI da Índia, e dezenas de milhares deles visitam os EUA todos os anos.

Muitos engenheiros de TI da Índia também expressaram esperanças de trabalhar no Japão. Mas a barreira da língua e salários mais baixos em comparação com os dos EUA desestimulam.

Fonte: Mainichi Shimbun

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here