Início Japão Ciência Japão é contrário a reprodução de bebês com genoma editado

Japão é contrário a reprodução de bebês com genoma editado

457
0
O Japão planeja criar uma lei para restringir a edição genética de óvulos humanos fertilizados. Foto: ficargravida

O Japão planeja criar uma lei para restringir a edição genética de óvulos humanos fertilizados à pesquisa básica e proibir que esses óvulos sejam devolvidos no útero, disseram fontes próximas ao assunto nesta sexta-feira (12).

Considerando que as penalidades são necessárias para evitar o abuso do controverso procedimento, o Gabinete deve propor a legislação em uma reunião do painel de bioética em 22 de abril. Os ministérios da ciência e da saúde discutirão os detalhes antes de tomar uma decisão no outono.

A decisão ocorre depois que um pesquisador chinês anunciou em janeiro que um gêmeo havia nascido com genomas editados, despertando o debate internacional sobre a ética do procedimento e conclamando uma lei restringindo o uso dessa tecnologia.

O Japão tentou apertar o controle do procedimento com uma diretriz de ética, introduzida em 1º de abril, que permite a edição genética de óvulos humanos fertilizados para fins médicos, mas proíbe seu retorno ao útero. Nenhuma penalidade para os infratores é incluída na diretriz.

O Conselho de Ciência do Japão propôs a criação de uma lei como em 2017, mas o governo tinha sido relutante em fazê-lo, temendo que restringir o movimento com uma lei – que leva tempo para revisar – poderia tornar difícil para a nação para lidar com os avanços na tecnologia.

Mas decidiu que uma medida adicional era necessária, dado que o incidente na China ocorreu mesmo que o país tivesse suas próprias diretrizes.

Embora a edição genética tenha despertado esperanças de que ajudaria as pessoas a superar desordens genéticas, também teme que possa abrir o caminho para a criação de “bebês projetados”, com pessoas selecionando ou alterando a composição genética de seus bebês de acordo com sua preferência. também pode afetar as gerações posteriores da família.

Depois de CRISPR-Cas9, um método para cortar, substituir e inserir genes facilmente, foi desenvolvido em 2012, a edição genética tornou-se amplamente usada nos setores agrícola e médico, embora sua aplicação em óvulos humanos fertilizados permaneça controversa e seja proibida em muitos países fora de pesquisa básica.

A Alemanha e a França proíbem a pesquisa de edição genética que poderia levar ao nascimento de uma criança, enquanto os Estados Unidos proíbem o financiamento do governo para esses estudos em óvulos fertilizados.


Fonte: KYODO

https://www.japantimes.co.jp/news/2019/04/12/national/science-health/japan-draft-law-tighten-control-gene-editing-fertilized-human-eggs/#.XLCYwuhKjIU.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here