Início Destaques Home Topo Japão incluem nos livros didáticos assuntos de discórdia com a China, Coréia...

Japão incluem nos livros didáticos assuntos de discórdia com a China, Coréia do Sul e Rússia

765
0
O Ministério da Educação, Cultura, Esportes, Ciência e Tecnologia revisa as diretrizes curriculares a cada 10 anos. Foto: Nextshark

O uso de livros didáticos do ensino fundamental que descrevem a posição do Japão em dois grupos insulares disputados com a China e a Coréia do Sul passou na triagem inicial na terça-feira (26) com base nas diretrizes adotadas em 2017, atraindo protestos das nações vizinhas.

O ministério da educação aprovou para o ano acadêmico que começa em 1º de abril de 2020, os livros de estudos sociais, que refletem a posição do governo do primeiro-ministro Shinzo Abe em questões territoriais.

Seul reagiu agudamente à decisão no mesmo dia, divulgando uma declaração dizendo que “condena veementemente a aprovação do governo japonês” dos livros didáticos e convocando o embaixador japonês Yasumasa Nagamine para apresentar um protesto.

Em Pequim, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Geng Shuang, disse a repórteres: “A posição da China na questão das Ilhas Diaoyu é clara e consistente”, usando o nome da China para as ilhotas de Senkaku.

“As Ilhas Diaoyu e suas ilhotas adjacentes são parte inerente do território chinês desde os tempos antigos. Não importa o que o Japão diga, essa realidade não pode ser mudada”, disse Geng.

Todos os seis livros de estudos sociais usados ​​por estudantes do quinto e sexto ano dizem que os ilhéus de Takeshima controlados pela Coréia do Sul no Mar do Japão, que Seul chama de Dokdo, e o grupo de ilhotas Senkaku no Mar da China Oriental pela China e Taiwan, são uma “parte inerente do território do Japão”.

Um painel consultivo do ministério encarregado de examinar livros didáticos pediu a alguns editores que acrescentem uma descrição de que o Japão apresentou protestos com a Coréia do Sul por seu controle sobre Takeshima e a posição do governo de que não há “disputas” sobre os Senkakus, segundo o ministério.

A reivindicação do Japão às ilhas russas já foi adotada nos livros didáticos do ensino fundamental. As ilhas são chamadas de Territórios do Norte no Japão e as Kurils do Sul na Rússia.

O Ministério da Educação, Cultura, Esportes, Ciência e Tecnologia revisa as diretrizes curriculares a cada 10 anos.

A última versão em 2017 dizia que todas as ilhas e ilhotas das três áreas são “territórios inerentes” do Japão.

Entre outros assuntos, todos os sete livros didáticos de inglês foram endossados. A língua será ensinada como uma disciplina individual para alunos do quinto e sexto ano do ano letivo de 2020.

Em meio à ambição de Abe de revisar a Constituição pacifista do Japão, um dos livros de estudos sociais explica que algumas pessoas são a favor de alterar a lei suprema, que permaneceu intacta desde que entrou em vigor em 1947, enquanto outros se opõem à medida.

Atrás da crescente conscientização sobre as minorias sexuais no país, alguns manuais de educação em saúde mencionam pessoas cujo sexo biológico não combina com sua identidade de gênero.

Fonte: KYODO

https://www.japantimes.co.jp/news/2019/03/26/national/japan-gives-initial-ok-use-textbooks-outline-countrys-position-island-disputes-china-south-korea/#.XJpY-5hKjIU.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here