1.043 visualizações 9 min 0 Comentário

Japoneses descobrem restaurantes brasileiros em Nagoya

- 7 de outubro de 2020

Nagoya – No distrito comercial central de Osu Kannon, em Nagoya, roupas vintage da moda, lojas de pechinchas incomuns e produtos internacionais ecléticos abundam. E saindo de seu coração está o cheiro quente do frango assado do humilde Osso Brasil .

Servindo frango suculento e saboroso, e almoços e jantares transbordando de pastel brasileiro (bolinhos fritos), pão de queijo, arroz, hambúrgueres, batatas fritas e salsa, o Osso Brasil é um importante representante de um dos cenários culinários emergentes de Nagoya: a comida brasileira.

A maioria dos cerca de 270.000 brasileiros no Japão vive na Prefeitura de Aichi e seus vizinhos, Shizuoka e Mie – principalmente em Nagoya e nas cidades industriais de Toyota, Toyohashi e Hamamatsu.

“Muitos nipo-brasileiros vieram para o Japão há 25 anos e havia uma grande demanda por ingredientes brasileiros”, diz a gerente da Osso Brasil, Noriko Imamura. “Então, primeiro nos abrimos como um mercado de alimentos brasileiro, mas descobrimos que nossos clientes queriam um lugar para comer ao lado, então abrimos um restaurante.”

Entre 1908 e 1941, 189.000 japoneses migraram para o Brasil, quando o país precisava de trabalhadores nas plantações de café e muitos japoneses rurais estavam na pobreza. A situação se inverteu no final da década de 1980, quando o Japão enfrentou uma grave escassez de mão de obra não qualificada em meio à expansão econômica e o Brasil entrou em recessão. Foram esses nipo-brasileiros nikkeis que o Japão permitiu que migrassem para o país.

“Os legisladores precisavam de trabalhadores imigrantes não qualificados e sentiam que os nipo-brasileiros seriam etnicamente semelhantes aos japoneses e culturalmente assimilados mais rápido do que os imigrantes racial e culturalmente diferentes”, diz Takeyuki Tsuda, um professor da Arizona State University que estudou história, sociologia e economia dos brasileiros no Japão e vice-versa.

De acordo com Tsuda, embora os nipo-brasileiros sejam bem-educados e sejam de classe média no Brasil, eles poderiam ganhar de cinco a dez vezes sua renda brasileira como trabalhadores estrangeiros não qualificados no Japão. Em 2000, os brasileiros se tornaram o maior grupo de imigrantes no Japão, depois dos chineses e coreanos.

“Mas os nipo-brasileiros acabaram sendo muito mais culturalmente brasileiros e foram tratados como estrangeiros alienados socialmente no Japão”, diz Tsuda. Essas diferenças frequentemente causam atrito com os vizinhos japoneses, levando a reclamações de que eles não falam japonês, falam muito alto em apartamentos e em público e não seguem as regras da comunidade.

O governo japonês foi rápido em mudar sua postura em relação aos imigrantes brasileiros, chegando a incentivá-los financeiramente a deixar o Japão por ocasião da crise financeira de 2009.

“Fizemos a vida neste país, trabalhamos duro, pagamos nossos impostos e agora, o governo, em vez de nos ajudar a nos ajudar, está nos expulsando do país”, disse um trabalhador ao Asia-Pacific Human Rights Information Centro na época.

“O governo em geral parece ter se arrependido de permitir que tantos deles entrassem. Mas isso levou a uma migração sustentada que continua até hoje”, disse Tsuda.

Um resultado positivo da imigração brasileira sustentada nos últimos 20 anos foi o desenvolvimento de uma cena alimentar brasileira no Japão, principalmente em Nagoya.

“Em uma cidade grande como Nagoya, vimos cada vez mais restaurantes brasileiros abrirem ao longo dos anos. E com mais comida, também vimos mais clientes ”, diz Tiago Hane, dono da Churrascaria Ipanema , churrascaria brasileira na boate de Sakae, em Nagoya.

Hane abriu a Churrascaria Ipanema em 2019, após trabalhar em outros restaurantes brasileiros por mais de 10 anos. Ele se mudou para o Japão aos 8 anos e cita sua profunda conexão com as duas culturas como sua motivação para abrir um restaurante. Junto com Sapucaí e Planeta Grill em Nagoya, Restaurante Esquina’s e Restaurante GrinGourmet em Toyohashi, e Vila Brasil e Churrascaria Choupana em Hamamatsu, o churrasco Hane é um entre cerca de uma dúzia de restaurantes brasileiros altamente conceituados.

“Quero apresentar às pessoas os sabores e ambientes brasileiros e ajudar os brasileiros no Japão a se sentirem nostálgicos e conectados ao Brasil”, diz Hane.

Os restaurantes brasileiros de Nagoya tendem a destacar a autenticidade, criando ambientes brasileiros coloridos e comprando produtos de lojas locais de especialidades brasileiras. Fundamentos como Sapucaí e novatos como Churrascaria Ipanema giram em torno do tradicional churrasco brasileiro: um prato fixo que inclui refil ilimitado de saladas coloridas, pão de queijo, frutas da estação, arroz e feijão – e, claro, carne.

Crepitante, gordos cortes de carne de todos os cantos da vaca – picanha (top sirloin cap), fraudinha (flanco), filé e cupim (topo da coluna vertebral) – são a principal atração. Linguiça picante, frango e abacaxi complementam o desfile interminável de cortes.

“A comida brasileira tem um sabor único, seja a refeição simples ou elaborada”, diz Hane. “Mas pessoas de todo o mundo podem apreciá-lo.” Os sabores tradicionais brasileiros tendem a ser salgados e cheios de especiarias, feitos com óleo de dendê (dendê), pimenta, alho, cominho e canela.

“Quero que todos no Japão possam experimentar o clima, a música e os sabores brasileiros”, continua.

A Osso Brasil, embora se atenha às receitas brasileiras para seus pratos com frango, se localizou parcialmente com versões de itens populares como hambúrgueres e refogados. “Descobrimos que os sabores brasileiros autênticos podem ser muito salgados para os japoneses”, diz Imamura. “Como nossa equipe é formada por nipo-brasileiros, acho que eles encontram o equilíbrio perfeito entre a cultura japonesa e a brasileira.”

Osso Brasil e Churrascaria Ipanema compartilham a mesma missão: oferecer a cultura e os sabores brasileiros para a comunidade nikkei brasileira, e se tornar uma opção gastronômica atraente que divide as delícias do Brasil com os japoneses.

“Esperamos que os japoneses apreciem nosso restaurante por ter uma atmosfera étnica e brasileira e sabores brasileiros”, diz Imamura.

A marginalização no Japão leva muitos brasileiros a sentir um apreço renovado pelo Brasil. “Eles fortalecem seus sentimentos nacionalistas como brasileiros estrangeiros no Japão”, diz Tsuda.

Esse desejo se manifesta como uma comida maravilhosa, e o apetite crescente por ela localmente sugere que, embora a inclusão possa ser ilusória, a aceitação – e o reconhecimento do Japão como um país multiétnico – pode estar no horizonte. O canto sempre movimentado da Osso Brasil em Osu Kannon, ladeado por restaurantes vietnamitas, turcos e indianos, parece uma visão desse futuro.

Fonte: https://www.japantimes.co.jp/life/2020/10/03/food/brazilian-food-culture-nagoya/

Portal Mundo-Nipo
Sucursal Japão Osaka
Harumi Matsunaga