Levantamento mostra que 158 pessoas morreram na explosão de nitrato de amônio usado como matéria-prima para explosivos.
Em Beirute, capital do Líbano, no Oriente Médio, milhares de manifestantes entraram em confronto com as forças de segurança que protestavam contra as medidas inadvertidas do governo, apresentando uma vítima fatal. Mais de 700 pessoas ficaram feridas e em estado de turbulência. Os manifestantes ocupam temporariamente vários edifícios do governo, como o Ministério das Relações Exteriores.

A situação abala a governança do estado. O protesto foi chamado de “Sábado de Retribuição” pelo SNS e começou na “Praça dos Mártires” perto do Parlamento. Fica a cerca de 1,5 km do local da explosão, e os edifícios quebrados e os destroços ao redor permanecem intocados.
As forças de segurança que tentaram invadir o Parlamento e prédios do governo dispararam balas de borracha e bombas. Os manifestantes responderam atirando pedras e causaram incêndios nas proximidades da manifestação.

Um policial teria sido morto por um manifestante. Pelo menos 728 ficaram feridos. O sistema médico, que já atendia cerca de 6.000 pessoas com a explosão, está numa situação de extrema superlotação.

Por volta das 19h, parte dos manifestantes liderados por veteranos entraram no Ministério das Relações Exteriores e o ocuparam. Declarado “ser a casa da revolução” e gritou: “Puxe o sistema para baixo.” Manifestantes também invadiram o Ministério da Economia, o Ministério do Meio Ambiente, o Ministério da Energia e a Sede da Associação de Bancos, e alguns edifícios foram incendiados. Depois disso, uma unidade militar fortemente armada foi despachada para conter os manifestantes.

Portal Mundo-Nipo
Sucursal Japão Tóquio
Jonathan Miyata

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here