Início Destaques Moradores são contra a importação do vírus Ebola para estudo em Centro...

Moradores são contra a importação do vírus Ebola para estudo em Centro de Pesquisa em Chiba

366
0
Laboratórios do Ramo Murayama do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas (NIID) em Musashi-Murayama, Tóquio. Foto: Youtube

Moradores que moram perto de uma instalação de armazenamento em um subúrbio ocidental de Tóquio estão preocupados com um plano do ministério da Saúde que pretende importar vírus que causam doenças infecciosas mortais, incluindo a febre hemorrágica Ebola.

Eles expressaram oposição em uma audiência pública realizada pelo ministério em 15 de novembro.

Os vírus seriam estudados para medidas de prevenção de um grande surto antes dos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020.

“É um absurdo que o governo nos diga para aceitar o plano por causa das Olimpíadas”, disse um representante da associação de residentes de Raizuka que mora perto da instalação de armazenamento dos Laboratórios do Ramo Murayama do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas (NIID). “Estamos preocupados e não podemos aceitá-lo.”

Chihiro Sasakawa, diretor do Centro de Pesquisa em Micologia Médica da Universidade de Chiba, que participou da audiência, disse: “Armazenar vírus é necessário para fazer um diagnóstico rápido e preciso de um paciente. Ao mesmo tempo, os moradores estão preocupados e é preciso que haja um diálogo com respeito”.

O ministério tem como objetivo melhorar o sistema de inspeção de doenças infecciosas antes das Olimpíadas de Tóquio, quando um grande número de visitantes de muitos países e regiões é esperado. Usar vírus reais tornaria os diagnósticos mais precisos e melhoraria os métodos de inspeção e alcançaria os padrões adotados por outros países avançados, explicou o ministério.

No entanto, os moradores na audiência não ficaram convencidos, e ambos os lados não conseguiram chegar a um acordo.

O ministério da Saúde espera adotar um sistema mais rigoroso de inspeção e detecção do ebola e de outras doenças que se espalham em algumas partes do mundo, importando cinco tipos de vírus: a febre hemorrágica Ebola; Febre de Lassa; Febre hemorrágica sul-americana; Febre hemorrágica da Criméia-Congo; e doença de Marburg.

Sob a Lei de Controle de Doenças Infecciosas, eles são classificados como Categoria Um, as doenças mais perigosas. A lei proíbe que qualquer vírus da categoria um seja importado para o Japão em geral e só permite que ele seja gerenciado em uma instalação de “nível de biossegurança 4 (BSL-4)”.

Atualmente, a instalação de armazenamento em Musashi-Murayama é a única instalação a ser certificada para aceitar o primeiro vírus de categoria 1 se for importado para o Japão.

O Ebola tornou-se pandêmico na África de 2014 a 2015, e os vírus entraram mais tarde nos Estados Unidos. Está florescendo na República Democrática do Congo este ano, mas nenhum caso foi registrado no Japão até o momento.

Fonte:  Asahi Shimbun

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here