Início Destaques Japão O apoio local é considerado essencial para facilitar a integração dos residentes...

O apoio local é considerado essencial para facilitar a integração dos residentes estrangeiros

433
0
Japão quer integração com estrangeiros. Foto: Coisas do Japão

OIZUMI, Gunma – Há um supermercado de esquina nesta cidade, assim como qualquer número de lojas em todo o Japão, mas por um detalhe: a placa diz que é um “Super Mercado”. A sinalização em português dificilmente é uma surpresa quando se olha para os compradores entrando e saindo, a maioria dos quais é brasileira.

O Oizumi na província de Gunma, a noroeste de Tóquio, abriga fábricas da empresa de eletrônicos Panasonic Corp. e da montadora Subaru, além de várias pequenas e médias empresas que cresceram para suprir as necessidades das grandes usinas. A cidade tem uma população de cerca de 40.000 habitantes, cerca de 18% dos quais são cidadãos estrangeiros – um dos maiores índices em qualquer parte do Japão. Isso atraiu o interesse de muitos outros municípios, e Oizumi recebe um fluxo constante de pedidos de governos locais para enviar observadores para descobrir como a cidade se adaptou. Foi até chamado “um instantâneo do futuro do Japão”.

As comunidades estrangeiras começaram a se formar em Oizumi há cerca de 30 anos, depois que uma revisão de 1990 da Lei de Controle de Imigração e Reconhecimento de Refugiados abriu caminho para que “Nikkei”, ou pessoas com ascendência japonesa, viessem ao país para trabalhar. Ainda montando os altos da “economia de bolha” na época, o Japão estava com falta de trabalhadores, e os descendentes de imigrantes japoneses para o Brasil vieram para preencher as necessidades de mão-de-obra das fábricas locais. A população estrangeira diminuiu um pouco após a explosão da bolha e novamente na esteira da crise financeira de 2008, desencadeada pelo colapso do Lehman Brothers, mas não houve êxodo em massa.

A razão para a resiliência da comunidade é o núcleo de residentes estrangeiros que decidiram se estabelecer permanentemente na cidade. Em uma pesquisa realizada em 1991 com residentes estrangeiros conduzida pelo governo local de Oizumi, cerca de 70% disseram que pretendiam retornar ao seu país natal dentro de três anos. De fato, no entanto, um número cada vez maior de pessoas se casou, teve filhos e decidiu fazer uma vida na cidade. Oizumi conduziu a mesma pesquisa em 2000 e descobriu que apenas cerca de 20% dos entrevistados planejavam sair dentro de três anos, enquanto não era mais incomum que esses moradores tivessem casas.

No entanto, atritos surgiram entre os cidadãos estrangeiros e japoneses, e o problema não se limitou às frustrações da população japonesa com estrangeiros que não observavam as regras de triagem de lixo. Mulheres grávidas no Japão têm um livro de registro de saúde maternidade usado para rastrear sua condição até o parto, e algumas mulheres estrangeiras grávidas reclamaram que as instituições médicas expressaram relutância em admiti-las por não terem o livreto. Homens que não se registraram para o seguro-desemprego perderam suas casas quando foram demitidos.

“A raiz de muitos desses problemas era a barreira da língua”, disse um funcionário da cidade de Oizumi ao Mainichi Shimbun.

A cidade começou a tentar maneiras diferentes de superar essa barreira e obter informações necessárias para seus residentes estrangeiros. Por exemplo, ele lançou aulas de cerimônia do chá e bonsai destinados a estrangeiros, onde os funcionários também distribuiriam informações essenciais da comunidade sobre tudo, desde a prevenção de desastres até a classificação do lixo. Eles também fizeram os participantes registrar seus endereços de e-mail, contando com eles para encaminhar as mensagens da cidade para seus amigos e familiares e, assim, aumentar o acesso à informação em toda a comunidade estrangeira.

Oizumi também imprime um panfleto mensal de informações em língua portuguesa para mais da metade de seus residentes estrangeiros vindos do Brasil. Em 2007, a cidade abriu um balcão para fornecer serviços de suporte de vida diária a estrangeiros, e estabeleceu aulas de japonês ensinadas por instrutores de idiomas profissionais em todas as suas escolas públicas primárias e secundárias. Também se diz que a forte cooperação público-privada desempenhou um papel importante na redução dos atritos com os residentes japoneses.

“O apoio aqui é mais generoso do que em outros municípios, então acho que é um lugar fácil para os estrangeiros viverem”, comentou Eder Hashizume, 50 anos, descendente de japoneses que vive em Oizumi há 20 anos.

No entanto, a composição da população estrangeira da cidade está mudando. Em 2008, os brasileiros representavam 73% dos residentes estrangeiros de Oizumi. Esse índice caiu agora para 56%. Enquanto isso, os nepaleses representam agora 9% dos estrangeiros da cidade, contra apenas 0,4% em 2008. As autoridades de Oizumi estão começando a sentir os limites do que um único município pode fazer para responder com o apoio necessário. Se as mudanças na lei de imigração do Japão, agora em debate na Dieta, e destinadas a atrair um grande número de trabalhadores estrangeiros entrarem em vigor, o impacto poderia ser ainda maior do que as revisões de 1990.

O primeiro-ministro Shinzo Abe disse à Câmara dos Deputados Representantes em 29 de outubro que “melhorou o ensino da língua japonesa, o apoio a locais para morar e a promoção de programas de previdência social estão sendo considerados” para ajudar trabalhadores estrangeiros a se estabelecerem no Japão. Apesar dessa promessa, o prefeito de Oizumi, Toshiaki Murayama, diz que não está otimista.

“Ainda não houve preparação suficiente para aceitar (mais trabalhadores estrangeiros)”, disse ele. “Para ser honesto, estou preocupado em abrir mais a porta.”

Enquanto isso, o governo central estabeleceu um comitê de funcionários e especialistas para fazer recomendações sobre como criar o melhor ambiente possível para aceitar tantos outros residentes estrangeiros. Desde setembro deste ano, o comitê considerou medidas, incluindo mesas de ajuda unificadas em todos os municípios do Japão, aumentando a qualidade das escolas de língua japonesa e estabelecendo procedimentos para lidar com pacientes estrangeiros em instalações médicas. O comitê está se esforçando para apresentar suas recomendações até o final deste ano.

No entanto, os municípios que já abrigam grandes populações estrangeiras estão tomando as coisas por conta própria. Dos 48 municípios com altas taxas de residentes estrangeiros entrevistados pelo Mainichi Shimbun, 39 disseram que estavam “implementando medidas para aceitar mais estrangeiros e integrá-los à comunidade”.

Os serviços administrativos do governo são fornecidos aos residentes estrangeiros quase que inteiramente pelos governos locais, e há crescentes pedidos para que o governo central forneça apoio e garantias financeiras para garantir que esses serviços possam ser mantidos após as revisões das leis de imigração entrarem em vigor. O ministro da Justiça, Takashi Yamashita, disse durante uma recente entrevista aos meios de comunicação: “É extremamente importante coordenarmos com os governos locais. Eu quero considerar que tipo de apoio é possível”.

Fonte: Mainichi Shimbun

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here