166 visualizações 4 min 0 Comentário

Onde está o ministro das Relações Exteriores da China? Pequim não está dizendo.

- 19 de julho de 2023

Crédito: Japan Times – 19/07/2023 – Quarta

O ministro das Relações Exteriores da China – no cargo há pouco mais de seis meses – está ausente dos olhos do público há mais de três semanas, apesar de uma enxurrada de atividades diplomáticas em Pequim, provocando intensa especulação sobre o motivo de seu desaparecimento inexplicável.

Qin Gang, 57, é uma estrela diplomática chinesa experiente e em rápida ascensão. Ele serviu como embaixador da China nos EUA por cerca de um ano e meio a partir de julho de 2021, depois recebeu a pasta do Ministério das Relações Exteriores em dezembro passado e foi nomeado Conselheiro de Estado – a terceira posição mais alta no governo central da China – em março.

As preocupações sobre o desaparecimento de Qin foram inicialmente abordadas por funcionários do Ministério das Relações Exteriores há uma semana, quando foi anunciado que ele faltaria a uma reunião anual de ministros das Relações Exteriores da Associação das Nações do Sudeste Asiático na Indonésia devido a “razões de saúde”. O ministério não deu mais detalhes, alimentando especulações públicas de que ele havia contraído o COVID-19.

No entanto, as dúvidas sobre seu paradeiro continuaram a aumentar desde que sua ausência prolongada aumentou mais do que o tempo provavelmente necessário para se recuperar do vírus.

Questionado sobre a ausência de Qin em uma coletiva de imprensa regular na segunda-feira, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China disse que não tinha “nenhuma informação a fornecer”, acrescentando que as atividades diplomáticas do país estavam sendo realizadas normalmente.

Desde quarta-feira, Qin está desaparecido há 24 dias. Sua última aparição pública foi em 25 de junho, quando se reuniu com diplomatas do Vietnã, Sri Lanka e Rússia.

Desde então, Qin não compareceu a várias reuniões de alto nível com diplomatas de outros países, incluindo altos funcionários dos EUA, como a secretária do Tesouro, Janet Yellen, e o enviado climático John Kerry. Ele deveria se encontrar com o chefe de política externa da União Europeia, Josep Borrell, no início deste mês, mas a reunião foi abruptamente cancelada pela China.

Dada a importância do papel de Qin na diplomacia da China, Alfred Wu, da Universidade Nacional de Cingapura, disse que seu desaparecimento é especialmente “incomum e problemático” para Pequim, pois ocorre em meio a uma série de atividades diplomáticas na China.

Em particular, o desaparecimento não é um bom presságio para os já tensos laços sino-americanos, dizem os especialistas.

“Em um momento muito delicado para as relações EUA-China, é problemático para a diplomacia chinesa não ter uma figura tão proeminente claramente visível”, disse Rana Mitter, especialista em história e política da China moderna na Universidade de Oxford.

Wu também observou que a opacidade em torno do paradeiro de Qin refletia uma questão estrutural chave do sistema de governo governado pelo Partido Comunista – sua tendência de criar um vácuo de informações.

Foto: Japan Times (O ministro das Relações Exteriores da China, Qin Gang, segura a Constituição da China em uma entrevista coletiva à margem do Congresso Nacional do Povo em Pequim em março. | REUTERS)

Comentários estão fechados.