Início Destaques Home Topo Órgão do governo japonês criam programas de apoio à estrangeiros

Órgão do governo japonês criam programas de apoio à estrangeiros

312
0
Os alunos estrangeiros necessitam de apoio referente à língua japonesa até problemas familiares. Foto: Kyodo News

Uma escola pública na província de Kanagawa está fornecendo apoio para estudantes estrangeiros que enfrentam dificuldades no dia-a-dia, ajudando-os com tudo, desde a língua japonesa até questões familiares e preparando-os para a autossuficiência.

A Sagami Koyokan High School, na cidade de Zama, a 40 km a sudoeste de Tóquio tem um sistema único de exame de entrada, oferece aulas de japonês de vários níveis, usa um sistema de ensino em equipe e emprega um coordenador para ajudar estudantes do exterior ou estrangeiros.

As origens dos estudantes em Sagami Koyokan totalizam mais de uma dúzia de países, incluindo China, Filipinas, Vietnã, Peru e Brasil, e o número de pessoas com raízes em países do sul da Ásia como Nepal e Sri Lanka tem havido ascensão recentemente, de acordo com o vice chefe Kumiko Sakakibara.

Estabelecido em 2010, o Sagami Koyokan acomoda estudantes estrangeiros, estudantes com formação estrangeira e estudantes japoneses, alguns dos quais tiveram evasão escolar e outros problemas no passado. Oferece cursos de meio dia pela manhã ou à tarde. Entre os dois períodos, alguns alunos assistem aulas especiais de japonês, enquanto outros participam de atividades extracurriculares.

Os alunos normalmente levam quatro anos para se formar, ao contrário de outras escolas que oferecem faixas de três anos e duração de um dia inteiro. Muitos estudantes da Sagami Koyokan precisam trabalhar em empregos de meio período enquanto estudam, de acordo com Sakakibara.

É uma das 13 escolas secundárias da província de Kanagawa que realizam exames especiais de admissão para estudantes estrangeiros ou descendentes de estrangeiros que tenham estado no Japão por três anos ou menos. Os silabários de texto são anexados às questões do exame e o japonês simples é usado pelos entrevistadores, de acordo com a diretoria de educação.

Independentemente do exame que foram aprovados, cerca de 20 novos alunos a cada ano letivo precisam de suporte especial em japonês.

No total, cerca de 80 alunos das quatro séries da escola recebem assistência em pequenos grupos para ajudá-los a negociar aulas conduzidas em japonês, explicou Mariko Saya, coordenadora de educação multicultural da escola.

Saya, que é enviada do grupo sem fins lucrativos Yokohama Multicultural Education Network Kanagawa e trabalha como professora de língua japonesa no Sagami Koyokan, serve como uma ponte entre estudantes de descendência estrangeira e professores.

Para aumentar a conscientização dos professores, alguns dos quais não tinham contato prévio com estudantes estrangeiros, Saya organizou palestras sobre tópicos como cultura muçulmana e convidou alunos estrangeiros da escola para fornecer feedback que possa ajudar os professores a entender os desafios da perspectiva do aluno.

Apesar do apoio oferecido no Sagami Koyokan, cerca de metade de todos os estudantes, japoneses e estrangeiros não se graduam. No passado, alguns estudantes simplesmente desapareceram, retornando ao seu país de origem sem notificar a escola, disse Sakakibara.

A coordenadora, uma das 28 enviadas para 22 escolas secundárias públicas de Kanagawa pela ME-net, aponta que muitos estudantes estrangeiros enfrentam problemas que não podem ser solucionados por conta própria. Alguns por exemplo, vêm de famílias de baixa renda ou enfrentam restrições à sua capacidade de trabalhar devido ao status do visto.

Alguns desses alunos são forçados a abandonar seus estudos quando os membros da família pedem que eles priorizem empregos de meio período ou que cuidem dos irmãos mais novos, disse Saya.

Dados do Ministério da Educação mostram que o número de crianças em todo o país – incluindo japoneses e estrangeiros – precisando de apoio para aprender o idioma japonês saltou 1,7 vezes nos 10 anos até 2016, alcançando 43.947, uma tendência em linha com o aumento trabalhadores estrangeiros chegando ao Japão com suas famílias.

Entre os estudantes do ensino médio, aqueles que necessitam de apoio em língua japonesa marcaram um salto de 2,6 vezes ao longo de uma década. No ano letivo de 2017, a taxa de desistência de tais crianças ficou em 9,61%, em comparação com 1,27% para todos os alunos no ano letivo de 2016.

Com mais trabalhadores estrangeiros esperados para vir ao Japão após o lançamento de um novo programa de vistos em abril, Saya expressou preocupação de que o talento e a promessa de muitos outros estudantes estrangeiros pudessem ser “esmagados” sem o aumento do apoio.

Para lidar com a situação, o ministério da educação tem desenvolvido um programa modelo para educar os professores encarregados de ensinar os estudantes estrangeiros e vai impulsionar o apoio a tais estudantes do ensino médio, incluindo orientação profissional, a partir do próximo ano fiscal.

De acordo com esse movimento, a Universidade de Educação de Aichi, uma faculdade administrada pelo governo, tornou obrigatório que cerca de 900 alunos do segundo ano façam um curso sobre orientação de estudantes estrangeiros. A província de Aichi tem o maior número de estudantes que precisam de apoio em japonês.

É um começo muito necessário que proporcionará benefícios para as pessoas que chegam ao Japão e para o país.

Fonte: KYODO

https://www.japantimes.co.jp/news/2019/03/19/national/zama-school-lends-helping-hand-foreign-students-struggling-life-japan/#.XJEBOChKjIU.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here