Depois de anos trabalhando em uma empresa, um funcionário dedicado  naturalmente começará a se questionar sobre quando receberá um aumento em seu salário. No Japão, sua resposta não é necessariamente direta.  

 As primeiras considerações que você deve ter é o tipo de emprego que você tem. Se você é um SEISHAIN (empregado permanente) e se sua remuneração é regida pela estrutura que se aplica a todos os outros funcionários SEISHAIN. Você está enquadrado em um nível especifico na estrutura de remuneração com base na antiguidade e quaisquer aumentos ou bônus de salário, não será tão grande. 




 

 Por outro lado, se você estiver em um contrato anual, pode ou não haver uma margem para uma manobra de negociação sobre o aumento salarial, quando o contrato estiver prestes a ser renovado para o outro ano. Se isso é possível, só dependerá das políticas da sua empresa e de quanto orçamento existe. Além do mais, você deve considerar até que ponto se tornou um funcionário valioso para a empresa. 

 

O que deve se ter em mente antes de pedir um aumento 

 Se você vai tentar um aumento na empresa, tenha em mente o ciclo orçamentário do local. Para empresas que iniciam suas operações em 1º de abril, os orçamentos geralmente são definidos até o final de fevereiro e não haverá flexibilidade para adicionar novos custos até o ano seguinte. Então para aumentar as suas chances, é melhor apresentar a sua sugestão em janeiro ou antes, com o objetivo de que a mudança possa entrar em vigor por volta de abril.  

Outra diferença fundamental que você deve saber sobre as negociações salariais no Japão, é que o papel do supervisor direto é totalmente diferente. 

Em outros países o supervisor direto é geralmente a pessoa que tem autoridade para tomar decisões sobre compensação. Para alguns funcionários contratados no Japão, esse pode ser o caso, mas muitas vezes é o departamento de recursos humanos quem coordena a remuneração das empresas e nem sempre estão dispostos a negociar. 

 Se você solicitar um aumento, esteja ciente de que fazê-lo o tornará diferente do que qualquer empregado japonês faria. Isso porque normalmente, os japoneses não gostam de solicitar aumentos, uma vez que os diferencia do sistema geral. 

 Eles acreditam que essa atitude é fútil e os fará parecerem egocêntricos e gananciosos. Eles também trabalham sob a suposição de que a empresa irá recompensa-los apropriadamente no tempo certo, sem a exigência deles e, portanto, tem a tendência de valorizar a sua estadia a longo prazo na empresa. 

 

Experiências 

Os gerentes japoneses normalmente não têm muita experiência em lidar com os pedidos de aumento salarial e não se sentem à vontade para debater, então eles tendem a se sentir desconfortáveis quando um funcionário os aborda pedindo um aumento, argumentando que deveria receber mais dinheiro.  

Na verdade, muitos gerentes japoneses afirmam que evitam dar bons feedbacks aos funcionários, por medo de proferirem essas palavras mais tarde, justificando o porquê merecem um aumento salarial. 

 

Conclusão 

Ao invés de pedir um aumento salarial individual, os japoneses fazem isso coletivamente através de sindicatos. 

Essas negociações acontecem para todas as empresas em casa primavera, no que é chamado de “shunto”, literalmente traduzido como “Ofensiva de primavera”. 

Embora o shunto tenha resultado no aumento salarial por 6 anos consecutivos, o aumento de 2019 foi abaixo do que o de 2018, por conta das preocupações econômicas.  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.