250 visualizações 6 min 0 Comentário

Petroleiros Norte-Coreanos Violam Sanções da ONU em Porto Russo

- 13 de junho de 2024

Contrabando de Petróleo: Coreia do Norte e Rússia Envolvidas Saiba mais sobre as operações clandestinas no Porto de Vostochny.

TÓQUIO, 10 de junho – Vários petroleiros norte-coreanos, que supostamente violaram as resoluções do Conselho de Segurança da ONU, visitaram um porto no extremo leste da Rússia no início de abril. Eles aparentemente estavam carregados com produtos petrolíferos refinados que foram enviados de volta para a Coreia do Norte, conforme apurou o Yomiuri Shimbun.

Uma análise detalhada do Yomiuri Shimbun, utilizando imagens de satélite e outros materiais, revelou que a Coreia do Norte está empregando métodos cada vez mais descarados para desrespeitar as restrições da ONU às importações de gasolina e outros produtos petrolíferos refinados. Este método vai além do simples contrabando através de operações de transferência entre navios no mar.

A análise foi realizada em conjunto com Katsuhisa Furukawa, ex-membro do Painel de Peritos da ONU que monitorou a implementação das sanções impostas à Coreia do Norte pelo seu desenvolvimento nuclear e de mísseis.

A investigação envolveu a comparação da forma e do tamanho dos navios capturados em múltiplas imagens de satélite do Porto de Vostochny, obtidas pela empresa norte-americana Planet Labs PBC, com imagens divulgadas pelo Itamaraty e pela Organização Marítima Internacional, órgão especializado da ONU.

Imagens tiradas nos dias 1, 3, 7 e 10 de abril mostraram que um total de quatro navios, cujas características distintivas correspondiam às dos petroleiros norte-coreanos, atracaram num cais perto de estruturas que parecem ser tanques de petróleo e navegaram dentro do porto.

O navio fotografado em 1º de abril parece ser o Yu Son, que foi sujeito a sanções do Conselho de Segurança por ser suspeito de envolvimento em operações de transferência de petróleo entre navios. Os navios capturados em 3, 7 e 10 de abril parecem ser o Un Hung, o Paek Yang San 1 e o Wol Bong San, respectivamente. Todos esses petroleiros foram vendidos à Coreia do Norte, em violação das sanções da ONU. O Painel de Peritos salientou que os quatro navios eram repetidamente suspeitos de violar resoluções do Conselho de Segurança que restringiam o fornecimento de produtos petrolíferos refinados à Coreia do Norte.

O Yomiuri Shimbun tentou rastrear os movimentos dos quatro petroleiros no site Marine Traffic, que fornece informações sobre a localização dos navios em todo o mundo. No entanto, o sinal do Sistema de Identificação Automática (AIS) para todos os quatro navios-tanque foi perdido no momento em que se aproximaram e partiram do Porto de Vostochny. O AIS é um sistema que transmite automaticamente a localização, velocidade, direção e outras informações de uma embarcação. Os navios que fazem viagens internacionais são obrigados a transportar um dispositivo AIS ao abrigo da Convenção Internacional para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar, porque pode ajudar a prevenir colisões e gerir as operações de navegação. É possível que os quatro petroleiros tenham desligado o seu AIS para ocultar os seus movimentos e os carregamentos de produtos petrolíferos refinados.

No início de março, o Yu Son navegou do Mar Amarelo, na costa oeste da Península Coreana, passou pelo Estreito de Tsushima e entrou no Mar do Japão. O AIS do navio-tanque parou de transmitir em 9 de março. Imagens de satélite confirmaram que o Yu Son estava atracado no porto de Vostochny em 1º de abril. Em 12 de abril, o navio retornou ao Mar Amarelo através do Estreito de Tsushima.

Imagens de satélite capturaram um navio que parece ser o Wol Bong San navegando perto do porto de Vostochny em 10 de abril. Este navio enviou sinais ao largo da costa de Vladivostok em 13 de abril, viajou pelo Estreito de Tsushima e chegou perto de Nampo, na costa oeste da Coreia do Norte, em 20 de abril.

Uma resolução do Conselho de Segurança da ONU adotada em dezembro de 2017 limitou as importações de petróleo refinado da Coreia do Norte a 500.000 barris por ano. Numa conferência de imprensa em maio, o Conselheiro de Comunicações de Segurança Nacional dos EUA, John Kirby, disse que a Rússia forneceu mais de 165 mil barris de petróleo refinado à Coreia do Norte só em março, e o limite anual dessas importações já tinha sido excedido.

Um relatório do painel de peritos da ONU salientou que a Coreia do Norte contrabandeou produtos petrolíferos refinados através de transferências entre navios realizadas nas suas águas territoriais e noutros locais.

“Desde a primavera de 2024, os petroleiros norte-coreanos atracaram no porto de Vostochny e adquiriram produtos petrolíferos”, explicou Furukawa. “Este contrabando tornou-se normalizado e é claro que as sanções da ONU não estão a funcionar adequadamente.”

Logotipo Mundo-Nipo
Autor

**Portal Mundo-Nipo**
Sucursal Japão – Tóquio
contato@mundo-nipo.com.br

Comentários estão fechados.