O policial militar Augusto Sampaio de Oliveira Neto, que responde na Justiça após quebrar um cassetete na testa do estudante Mateus Ferreira da Silva, durante uma manifestação no centro de Goiânia, em 2017, foi promovido e com ele, 378 policiais foram também promovidos.




 

“É lamentável. Receber de uma forma perplexa a premiação de uma atitude que é fora do padrão operacional da corporação. É na verdade a premiação da violência. É a legitimação do governador. Ao invés de receber uma punição de forma adequada, acaba que, na verdade, é um incentivo à violência. Um incentivo à violência policial, à violência estadual”, disse Mateus.

Fonte: G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.