Devido as dificuldades de prever as mudanças de temperatura nos oceanos, um grupo de pesquisadores japoneses criou uma maneira incomum de melhorar a precisão da previsão. Para isso, eles contaram com a ajuda de tartarugas marinhas, anexando dispositivos de monitoramento a elas. 

Os pesquisadores lançaram cinco tartarugas marinhas no mar da Indonésia, cada uma com um dispositivo nas costas que ajudará a coletar dados no Mar de Arafura por três meses. 

No primeiro teste elas previram que a temperatura do mar seria 0,4 ° C mais alta do que o normal. 

De acordo com os pesquisadores, Katsufumi Sato, professor de biologia marinha da Universidade de Tokyo, e Takeshi Doi, da Agência Japonesa de Ciência e Tecnologia Terra-Marinha, após analisar os resultados, constatou-se que a previsão era quase idêntica à mudança real de temperatura observada por um satélite.  

“Todas as cinco tartarugas migraram para o Mar de Arafura, localizado entre o norte da Austrália e a Ilha da Nova Guiné. Elas também ficaram lá por cerca de três meses até a transmissão cessar”, disseram os estudiosos em um artigo publicado recentemente. 

As medições da temperatura dos oceanos são tradicionalmente realizadas por satélites e outros equipamentos. Porém, os métodos convencionais geralmente não têm precisão, principalmente quando se trata de prever mudanças de temperatura, porque os dispositivos subaquáticos não podem ser usados em águas rasas. 

Portanto, a equipe acrescentou o uso de tartarugas marinhas aos métodos, afim de prever a temperatura no Mar de Arafura. 

Os pesquisadores também estão utilizando focas no Mar antártico, visto que as tartarugas não sobreviveriam às águas frias. 

Leia também: Autoridades japonesas pedem que idosos comam mochi com cuidado 

Mundo-nipo: O principal portal de notícias do Japão 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here