Início Japão Usina de esgoto financiada pelo Japão fica ociosa no Peru

Usina de esgoto financiada pelo Japão fica ociosa no Peru

534
0
Usina de Esgoto no Peru financiado pelo governo japonês está ociosa. Foto: The Japan News

Uma estação de tratamento de esgoto no Peru, para a qual o governo japonês forneceu 6,66 bilhões de ienes (cerca de 58 milhões de dólares) em empréstimos como parte da assistência oficial ao desenvolvimento, ficou ociosa por mais de dois anos devido a vazamentos de esgoto, vazamentos e outros problemas. de Auditoria encontrou.

O governo peruano está buscando uma ação legal contra uma empresa de consultoria sediada em Tóquio e um empreiteiro chinês envolvido na construção da usina.

De acordo com o Conselho de Auditoria e outras entidades envolvidas, a fábrica está localizada em Iquitos, capital da região de Loreto, no nordeste do Peru.

A cidade, cujo percentual de cobertura de esgoto era de apenas 60% em 2007, tinha pouca higiene e sofria transbordamento de esgoto durante os períodos chuvosos. Para melhorar as condições, o governo japonês estendeu os empréstimos ienes, que fornecem fundos emergentes aos países na forma de empréstimos de longo prazo e juros baixos.

Os dois países assinaram o projeto em 2008, com o Peru selecionando a empresa de consultoria sediada em Tóquio para cuidar do projeto e supervisionar o processo de construção, e o empreiteiro chinês para realizar o trabalho. Sob o acordo, uma estação de tratamento de esgoto, rede de tubulações de esgoto, estação de bombeamento e outras instalações foram construídas, com operações de teste a partir de 2013.

Cerca de um ano depois das operações do teste, a usina deveria ser tomada por uma empresa pública de esgoto e água para iniciar operações completas.

No entanto, uma variedade de problemas surgiram, incluindo a subsidência do solo na estação de tratamento de esgoto e rachaduras em suas paredes. Além disso, conexões deficientes na rede de esgoto provocavam refluxo e vazamento de esgoto de bueiros.

Como a empresa pública rejeitou a compra da fábrica, ficou inativa desde agosto de 2016.

Naquele mês, a Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA), que administra a assistência oficial ao desenvolvimento do Japão, suspendeu o status de empresa consultora por cinco meses, dizendo que não cumpriu seu papel de supervisionar o processo de construção e fez um relatório falso. JICA que o projeto foi concluído corretamente.

Ao mesmo tempo, no entanto, a própria JICA não conseguiu ficar de olho em como a empresa de consultoria estava supervisionando o projeto e não estava ciente do problema até receber um relatório do governo peruano.

O governo peruano está buscando uma ação legal contra a empresa de consultoria e o empreiteiro chinês e, ao mesmo tempo, planeja recrutar uma empresa privada que investirá na estação de tratamento de esgoto. Ainda assim, não se sabe quando começará a operar.

“Reconhecemos humildemente que não estamos envolvidos na gestão da qualidade e faremos tudo o que pudermos para evitar uma recorrência”, disse um representante da empresa de consultoria. “O governo peruano está exigindo que assumamos a responsabilidade pelo projeto e pela supervisão do projeto, mas esses problemas foram causados ​​por um ato de Deus e falhas do lado do contratante”.

Um funcionário da JICA disse: “Reconhecemos humildemente as descobertas e melhoraremos nossas práticas”.

Fonte: Yomiuri Shimbun

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here