237 visualizações 8 min 0 Comentário

Vida no Japão: este país produzirá mais bebês?

- 21 de fevereiro de 2023

O Japão costuma ser notícia mundial por um motivo infeliz: sua taxa de natalidade está caindo. O governo, por exemplo, quer incentivar a paternidade aumentando sua doação de 420.000 ienes no nascimento de uma criança para 500.000 ienes. A governadora de Tóquio, Yuriko Koike, promete que a cidade dará aos menores de 18 anos que vivem na capital 5.000 ienes por mês. Koike disse que a seca nacional de bebês “abala os próprios alicerces da sociedade”. (Os nascimentos provavelmente caíram abaixo de 800.000 no ano passado pela primeira vez desde 1899.

Tenho três filhos e, a meu ver, essas pequenas esmolas têm tanta probabilidade de reverter a escassez de bebês quanto assobiar contra o vento. Mas é importante desde o início deixar claro um ponto: não se trata apenas do Japão. As taxas de natalidade nos países avançados estão caindo em todo o planeta. As taxas de fertilidade média são de 1,67 em 38 países da OCDE – bem abaixo do que os estatísticos chamam de “nível de reposição” – o número de filhos (cerca de 2,1) necessário por mulher para manter a população constante.

A taxa de fertilidade do Japão de 1,3 (2020) é quase a mesma da China e superior a de Taiwan (1,0) ou da Coréia do Sul (0,8). Não é muito menor do que os países predominantemente católicos, Polônia (1,4) e Itália (1,3). Fazendo um levantamento da queda populacional da Europa, a Agência Católica de Notícias observa com medo que a incerteza desencadeada pela pandemia de covid acelerou o que chama de “inverno demográfico” do continente.

Uma pesquisa de 2020 no Lancet, um jornal médico de prestígio, previu uma queda “de cair o queixo” no número de bebês, com 23 nações – incluindo Espanha e Japão – “esperando ver suas populações cair pela metade até 2100”.

Pandemia à parte, a maior parte disso é apenas progresso. À medida que os países se modernizam e as mulheres ganham mais controle sobre seus corpos, as taxas de natalidade caem. Crescendo na Irlanda na década de 1970, não era incomum ver mães presas em casas pequenas com oito filhos ou mais. A taxa de fertilidade lá meio século depois é de 1,6 nascimentos por mulher. Na Coreia do Sul, as mulheres tinham em média quatro filhos no início da década de 1970; hoje eles têm menos do que seus equivalentes em qualquer outro país.

Ainda assim, é impressionante como o Japão e a Coréia do Sul (com a China na retaguarda) estão na extremidade inferior do espectro global de criação de bebês. Uma das razões, dizem os sociólogos, é a forte influência do casamento nesses países. Metade ou mais de todos os nascimentos agora ocorrem fora do casamento na França, Islândia, Noruega e Suécia, diz a OCDE. O número equivalente no Japão e na Coreia do Sul é insignificante.

Em minhas próprias discussões com alunas, descobri que muitas não se sentem atraídas pela perspectiva de ter filhos com assalariados porque as exigências da vida corporativa deixam as esposas sozinhas em casa a maior parte da semana. Além das lutas da maternidade, há o custo de criar os filhos. Muitas mulheres preferem começar suas próprias carreiras primeiro, o que ajuda a adiar as complicações do casamento para mais tarde na vida.

Entre os países que reverteram as taxas de fertilidade levemente decrescentes na última década, o fator-chave, diz a OCDE, foi uma divisão mais igualitária das tarefas domésticas e parentais. Algumas pesquisas sugerem que, quando os homens ajudam mais em casa (supondo que possam), as taxas de fertilidade aumentam.

No entanto, o que está claro é que esta é uma questão mundial complexa. As taxas de natalidade são muitas vezes teimosamente resistentes aos incentivos do governo. Alguém acredita que jogar um pouco de dinheiro em jovens japoneses os persuadirá a conjurar magicamente milhões de bebês a mais? Na ausência disso, existe outra forma amplamente adotada de aumentar as populações: importar pessoas. Há muito espaço para crescimento aqui: apenas 2% da população do Japão é “estrangeira” em comparação com 10,6% dos países da OCDE.

Não está claro, no entanto, se o Japão algum dia tomará essa opção. Apesar dos planos muito alardeados do ex-primeiro-ministro Shinzo Abe de trazer centenas de milhares de trabalhadores estrangeiros, o número de estrangeiros que vivem aqui caiu nos últimos anos. Os formuladores de políticas parecem avessos à imigração (uma vez ouvi Abe em uma conferência do Economist esquivar-se nervosamente da palavra ‘imigrantes’ ou imin durante perguntas de jornalistas).

Enquanto isso, o governador de Tóquio, Koike, e outros formuladores de políticas podem ponderar se a obsessão em aumentar as taxas de natalidade não é equivocada. Afinal, estamos em meio a uma crise climática, onde os recursos globais parecem esticados ao limite por nossos 8 bilhões de habitantes. Pela maioria dos cálculos, adicionaremos outros 3 bilhões antes do pico da população global. Como observa a jornalista científica Laura Spinney, “é absurdo dizer que o que falta são bebês”.

O Japão pode apenas ter que tirar o melhor proveito de sua população em declínio.


Estamos há mais de 20 anos no mercado contratando homens e mulheres até a 3º geração (sansei) com até 65 anos, casais com ou sem filhos para trabalhar e viver no Japão, temos mais de 400 vagas e parceria com +50 empreiteiras em diversas localidades. Auxiliamos na emissão do Visto Japonês, Documentos da Empreiteira, Certificado de Elegibilidade, Passagem e mais. Contate-nos via WhatsApp para mais informações sobre empregos no Japão: (11) 95065-2516 📲🇯🇵✨ ©𝐍𝐨𝐳𝐨𝐦𝐢 𝐓𝐫𝐚𝐯𝐞𝐥.
Comentários estão fechados.