Início Japão A escavação no túmulo do imperador Nintoku poderia desvendar mistérios do passado

A escavação no túmulo do imperador Nintoku poderia desvendar mistérios do passado

1708
0
Daisen Kofun, túmulo do Imperador Nintoku, situado na cidade de Sakai. Foto: Youtube

Os túmulos imperiais construídos durante o período Kofun são locais que deixaram pistas importantes para a compreensão das origens da nação.

A Agência da Casa Imperial, juntamente com o governo da cidade de Sakai, começou uma escavação do Daisen Kofun (o túmulo do Imperador Nintoku), o maior túmulo de kofun em forma de buraco de fechadura, que se acredita ter sido construído no quinto século. É a primeira vez que a escavação de uma tumba imperial está sendo conduzida com um grupo fora da agência.

A pesquisa tem como objetivo verificar a condição do aterro do fóssil que circunda o túmulo, mas há também a possibilidade de tais artefactos como figuras de barro haniwa serem desenterrados.

Até recentemente, a agência restringiu severamente a entrada no local da tumba, alegando que é importante que a tranquilidade e a dignidade sejam mantidas em lugares onde imperadores e outras nobrezas são deixados de lado. Mesmo a entrada de pesquisadores se limitou a observar a forma do túmulo desde a base do morro.

A partir desta escavação conjunta, pode-se interpretar que a postura da agência é permitir uma expansão da pesquisa em túmulos imperiais, quando considerada justificável. Isso pode ser considerado um importante passo em frente.

No que diz respeito aos aglomerados de túmulos antigos Mozu-Furuichi Kofungun, constituídos por 49 túmulos antigos, incluindo o Daisen Kofun, o governo apresentou este ano documentos de recomendação à UNESCO para que fossem incluídos na lista do Património Mundial. Se tudo der certo, eles serão listados no próximo verão.

A herança mundial é valiosa para toda a humanidade. É absolutamente necessário que os ativos constituintes sejam autênticos.

Garantir a autenticidade dos sites.

Acredita-se que o Daisen Kofun, que se estende por áreas urbanas de Sakai, seja um dos três túmulos reais de maior escala do mundo, juntamente com a Pirâmide de Khufu, no Egito, e o Mausoléu do Primeiro Imperador Qin, na China. Há opiniões, no entanto, pedindo que a designação de “a tumba do Imperador Nintoku” não seja mencionada, sob a alegação de que a identidade da pessoa sepultada ainda precisa ser confirmada.

Enquanto o governo pretende ter os grupos de túmulos registrados na lista do Patrimônio Mundial, a pesquisa não deve continuar a desvendar a identidade do indivíduo sepultado tanto quanto possível?

Desde o período Edo até a era Meiji, antigos túmulos foram designados com base em descrições em documentos como o Kojiki (Registros de Assuntos Antigos), o Nihon Shoki (As Crônicas do Japão) e o Engi-shiki (os Procedimentos). da era Engi). A agência atualmente administra 899 dessas tumbas.

O problema é que a pesquisa acadêmica realizada após a guerra identificou casos em que tumbas designadas não são consistentes com as descrições descritas nesses documentos.

A tumba do Imperador Keitai é designada como o Ooda-chausuyama Kofun na Prefeitura de Osaka, mas é altamente provável que sua tumba real seja a Imashirozuka Kofun na mesma prefeitura. Também se afirmou que o Kofun de Kengoshizuka, na Prefeitura de Nara, é o verdadeiro túmulo do Imperador Saimei, em vez do Kurumaki-kennou Kofun na mesma província.

Na era Meiji, a designação do túmulo do Imperador Tenmu e do Imperador Jito foi alterada devido à descoberta de novas evidências. Se as designações forem erradas, a possibilidade de alterá-las deve ser considerada. É necessária uma atitude flexível por parte da agência.

Os túmulos imperiais são lugares onde as orações pela Família Imperial são conduzidas e, portanto, é natural proteger a tranquilidade desses locais. Levando-se em conta o atual estado de coisas em que os ritos religiosos são conduzidos periodicamente, espera-se que a pesquisa acadêmica avance o máximo possível para resolver alguns dos mistérios que cercam a história antiga da nação.

Fonte: Yomiuri Shimbun

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here