Início Destaques Japão Escolas de Fukushima sofrem coma falta de alunos

Escolas de Fukushima sofrem coma falta de alunos

317
0
O evento foi retomado em 2017, mas os organizadores planejam recrutar a ajuda de crianças de fora do distrito neste ano. Foto: Colorado State University

Oito anos após os desastres nuclear de março de 2011 que levou a evacuação, as escolas de ensino fundamental e médio reabriram em 10 municípios da província de Fukushima. Os números dos alunos não são os mesmos de antes do desastre.

De acordo com as estatísticas divulgadas em maio passado, o número de estudantes ficou em apenas 10% do nível anterior.

Durante as evacuações prolongadas, muitas famílias reconstruíram suas vidas em novos locais, levando à queda acentuada dos estudantes em Fukushima. Como resultado, os governos locais estão enfrentando dificuldades para manter as escolas funcionando.

No distrito de Yamakiya, na cidade de Kawamata, a assessoria de evacuação foi suspensa em março de 2017, seis anos após o colapso do reator na usina nuclear de Fukushima no. 1.

Escolas de ensino fundamental e médio reabriram na cidade em abril de 2018, apenas cinco alunos da sexta série frequentam o local. Com nenhum recém-chegado ingressando nesta primavera, a escola primária planeja suspender as operações em abril.

Cerca de 40% dos moradores retornaram ao distrito, mas três quartos deles têm 60 anos ou mais.

“As famílias que cuidam dos filhos mudaram suas bases de vida para os locais onde se abrigaram, depois que seus filhos fizeram amigos na escola e construíram novas casas”, disse um funcionário do conselho de educação da cidade.

Um homem de 60 anos que é membro de uma associação comunitária do bairro fica desapontado com a forte diminuição do número de crianças.

“O desaparecimento das vozes das crianças é como as luzes se apagando”, disse o homem, que não queria que seu nome fosse publicado.

Antes dos desastres de março de 2011, Sanbiki Shishimai, um evento local tradicional no qual crianças do ensino fundamental realizam danças em reverência à saúde da população local era realizado todos os anos. O evento foi retomado em 2017, mas os organizadores planejam recrutar a ajuda de crianças de fora do distrito neste ano.

Embora o evento não esteja na forma original, “queremos continuar nossa tradição de um jeito ou de outro”, disse o homem.

Na aldeia de Iitate, o número de alunos do ensino fundamental e médio caiu para 79. O governo local atualmente paga todas as despesas relacionadas à educação, inclusive para materiais educacionais e almoços escolares.

A vila opera 12 ônibus escolares, incluindo alguns para os estudantes que se deslocam de municípios vizinhos, a um custo anual de cerca de ¥ 65 milhões.

“Se eles crescerem nesta aldeia, esperamos que façam alguma forma de contribuição (para a aldeia) no futuro”, disse um funcionário do conselho de educação da aldeia.

O governo central está trabalhando para melhorar a educação de pequena classe em áreas despovoadas por meio do uso de tecnologia da informação e comunicação.

Em fevereiro, quatro escolas primárias na vila de Katsurao, em Fukushima, e as cidades de Tomioka e Namie conduziram uma aula de ética conjunta conectando-se em um sistema de teleconferência. Através de telas, os alunos trocaram opiniões sobre o tema de ter um grande coração.

Fonte: JIJI

https://www.japantimes.co.jp/news/2019/03/19/national/schools-reopen-student-numbers-fail-rebound-disaster-hit-fukushima-municipalities/#.XJEBPihKjIU.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here