131 visualizações 3 min 0 Comentário

A ampla lei de política externa que a China quer contrariar o Ocidente com

- 5 de julho de 2023

Crédito: Japan Times – 05/07/2023 – Quarta

A decisão da China de promulgar uma nova lei que rege as relações exteriores do país no fim de semana passado estabelece as bases para uma reação mais forte de Pequim em resposta às medidas – incluindo as impostas pelos EUA – que ela vê como um obstáculo à sua ascensão.

A nova legislação, que foi aprovada pelo principal órgão legislativo do país em 28 de junho e entrou em vigor no sábado, reúne os princípios diplomáticos de longa data de Pequim e enriquece sua “caixa de ferramentas jurídicas” para “lidar de maneira mais eficaz com riscos e desafios” no exterior arena política, de acordo com o governo chinês.

Analistas acreditam que a lei visa garantir consistência entre o pensamento da liderança chinesa e as ações dos diplomatas no cenário global. Mas o quão ativamente isso será aplicado e quanto de dissuasor será, ainda não se sabe.

Aqui está uma visão abrangente do que é a nova Lei de Relações Exteriores e o que ela significa.

Qual é a nova lei?

A Lei de Relações Exteriores marca a primeira vez que os princípios e posições fundamentais da política externa do país foram codificados em lei desde a fundação da China comunista em 1949.

A lei, composta por seis capítulos e 45 artigos, inclui disposições para a divisão de autoridade e responsabilidade dentro do aparato de política externa, bem como objetivos, tarefas, sistemas e salvaguardas para o desenvolvimento das relações externas.

Rotulada por analistas como uma espécie de “legislação guarda-chuva” que cobre todos os aspectos das relações exteriores, a nova lei consolida as posições diplomáticas existentes de Pequim, incluindo as de não agressão e não interferência nos assuntos internos de outros países, e sua oposição à “hegemonia” e “ política de poder”.

A nova legislação também consagrou algumas das iniciativas de diplomacia estrangeira do líder Xi Jinping, incluindo a Iniciativa de Segurança Global, a Iniciativa de Desenvolvimento Global e a Iniciativa de Civilização Global, que promovem o conceito de não-interferência.

Foto: Japan Times (Bandeiras da China e de Hong Kong são penduradas entre prédios em Hong Kong em 27 de junho. . | AFP-JIJI)

Comentários estão fechados.