81 visualizações 14 min 0 Comentário

Acordos bilaterais de defesa entre Tóquio e Manila podem reformular a segurança do Indo-Pacífico

- 18 de fevereiro de 2023

A recente viagem de cinco dias do presidente filipino, Ferdinand Marcos Jr., a Tóquio é sem dúvida sua estada mais importante no exterior desde que assumiu o poder, há mais de sete meses.

Ao que tudo indica, foi uma visita altamente bem-sucedida, que viu o líder filipino garantir US$ 13 bilhões em promessas de investimento, US$ 3 bilhões em empréstimos de infraestrutura e toda uma série de acordos de cooperação destinados a impulsionar os setores de agricultura, saúde e economia digital das Filipinas.

Além do mais, os líderes do Japão e das Filipinas também lançaram as bases para uma nova era na cooperação bilateral em defesa que está prestes a ter grandes implicações para a região do Indo-Pacífico. Pouco depois da decisão de Marcos de conceder a Washington acesso ampliado às principais bases filipinas voltadas para o Mar do Sul da China e Taiwan, o líder filipino também confirmou as discussões em andamento sobre um novo acordo de segurança tripartite Filipinas-EUA-Japão.

Enquanto isso, as Filipinas e o Japão estão perto de finalizar um acordo de acesso recíproco que deve aprofundar a interoperabilidade e expandir exercícios militares conjuntos entre as forças armadas dos dois países. O Japão também concordou em incluir a nação do Sudeste Asiático entre seus primeiros beneficiários de um novo pacote de assistência de segurança no exterior, com foco particular em aumentar a segurança marítima das Filipinas e as capacidades de conscientização de domínio.

Espera-se que o primeiro-ministro Fumio Kishida visite as Filipinas ainda este ano para, entre outras coisas, discutir a possibilidade de um acordo de forças visitantes que colocaria o Japão em pé de igualdade com os Estados Unidos e a Austrália.

Estimulado por sua visita bem-sucedida ao Japão, Marcos assumiu uma postura cada vez mais dura contra o comportamento agressivo da China, chegando a convocar pessoalmente o enviado de Pequim em Manila para expressar seu descontentamento com as últimas tensões no Mar da China Meridional.

Com menos de um ano no poder, Marcos está supervisionando nada menos que uma revolução silenciosa na política externa filipina, com parceiros importantes como o Japão desempenhando um papel fundamental na nova visão estratégica de Manila para o Indo-Pacífico.

Um mês antes, Marcos visitou Pequim para sua primeira grande visita de Estado ao exterior. Embora a viagem tenha culminado em promessas de investimentos consideráveis ​​da China, os dois lados não conseguiram chegar a nenhum acordo concreto além de declarações genéricas. Por exemplo, Pequim não esclareceu o destino de um único projeto de infraestrutura de alto valor nas Filipinas e contornou amplamente as disputas inflamadas no Mar da China Meridional.

Para os filipinos, a China é conhecida pelo que pode ser descrito como uma “armadilha de promessa” – promessas vazias de investimentos em larga escala em troca de aquiescência geopolítica. Sob o governo de Rodrigo Duterte, amigo de Pequim, que moderou as disputas no Mar da China Meridional, a China não conseguiu realizar nenhum projeto de grande valor, apesar de sua promessa de investimento de US$ 24 bilhões em 2016.

Como admitiu o ex-secretário de orçamento de Duterte e atual secretário de Finanças, Benjamin Diokno, o Japão foi responsável pela maior parte do financiamento estrangeiro para projetos domésticos de infraestrutura nas Filipinas. Com poucos avanços, se é que houve algum, durante sua viagem a Pequim, a visita de Marcos a Tóquio ganhou ainda mais destaque.

Nas últimas décadas, o Japão emergiu como um dos parceiros econômicos mais importantes das Filipinas. O Japão não é apenas a fonte número 1 de ajuda ao desenvolvimento e investimentos em infraestrutura, mas também é a única nação a assinar um acordo bilateral de livre comércio – o Acordo de Parceria Econômica Japão-Filipinas – com Manila. Mas longe de cair na complacência, os dois lados dobraram sua parceria econômica substancial durante a visita de Marcos a Tóquio.

Os dois lados prometeram avançar com a implementação de uma série de iniciativas de infraestrutura apoiadas pelo Japão, incluindo a ferrovia suburbana norte-sul e a ferrovia suburbana norte-sul para projetos Malolos-Tutuban. Eles também enfatizaram seu compromisso de finalizar o primeiro sistema de metrô subterrâneo de Manila em um futuro próximo, enquanto modernizam em conjunto o sistema de transporte aéreo das Filipinas.

Após suas reuniões com os principais empresários japoneses, Marcos garantiu até US$ 13 bilhões em promessas de investimento, que devem gerar até 24.000 empregos. O Japão também concordou em ajudar os esforços contínuos das Filipinas para modernizar seu setor agrícola, atualizar sua infraestrutura digital e construir um sistema de saúde universal.

O que tornou a visita de Marcos ao Japão ainda mais importante é a natureza cada vez mais voltada para a defesa das relações bilaterais nos últimos anos. No ano passado, o Japão participou de grandes exercícios multilaterais organizados pelas Filipinas, incluindo os exercícios militares “Balikatan”, “Kamandag”, “Sama-Sama” e “Lumbas”, que visam coletivamente aumentar a interoperabilidade entre os Estados Unidos e seus principais aliados na região.

Tanto Washington quanto Canberra têm acordos bilaterais de defesa relevantes com Manila, ou seja, um acordo de forças visitantes, que fornece a estrutura legal para exercícios militares regularizados e de grande escala. O Japão busca uma relação de defesa igualmente estreita com as Filipinas.

Durante a viagem de Marcos, os dois lados assinaram um acordo sobre assistência humanitária e atividades de socorro a desastres que facilita um grau limitado de interoperabilidade de segurança não tradicional entre as forças japonesas e filipinas. Em um futuro próximo, os dois lados procurarão assinar um acordo de aquisição e serviços cruzados e, no futuro, um acordo completo de forças visitantes, que permitiria ao Japão conduzir atividades militares conjuntas em larga escala e exercícios com as Filipinas. .

Em sua declaração conjunta, os dois lados enfatizaram a necessidade de “escaladas recíprocas e visitas de aeronaves, transferência de mais equipamentos e tecnologia de defesa, cooperação contínua em equipamentos de defesa anteriormente transferidos e capacitação” para enfrentar ameaças geopolíticas compartilhadas.

O Japão também concordou em fornecer ajuda de defesa às Filipinas, incluindo navios de patrulha de 97 metros e sistemas de vigilância modernos que são cruciais para a defesa marítima do país do Sudeste Asiático.

Crucialmente, tanto as Filipinas quanto o Japão também enfatizaram seu compromisso de aprimorar ainda mais a cooperação trilateral de defesa com Washington em meio a crescentes especulações sobre um novo acordo militar tripartido EUA-Filipinas-Japão em um futuro próximo. Marcos permaneceu em silêncio sobre os detalhes precisos do acordo proposto, mas claramente a decisão das Filipinas de conceder ao Pentágono acesso ampliado a bases próximas à costa de Taiwan, nas palavras do embaixador dos EUA no Japão, Rahm Emanuel, contribuiu para uma “significativa estratégia remodelação” na região.

No entanto, não há espaço para complacência. Para começar, o Japão terá que aumentar sua diplomacia pública, explicando de forma mais proativa os méritos dos investimentos em infraestrutura nas Filipinas, bem como sua nova postura de defesa. Afinal, grupos progressistas e elementos pró-China em Manila certamente se mobilizarão contra qualquer expansão da cooperação de defesa entre Filipinas e Japão, invocando, entre outras coisas, o passado militarista de Tóquio e as atrocidades generalizadas durante a Segunda Guerra Mundial.

Assim, é crucial para Tóquio conquistar não apenas Marcos, mas também o público filipino mais amplo, grupos da sociedade civil e, acima de tudo, legisladores independentes, que examinarão qualquer grande acordo bilateral de defesa. No passado, o Senado filipino, que tem mandato constitucional para aprovar tratados de defesa, votou a favor do fim das bases permanentes dos EUA e, durante anos, demorou a ratificar o Acordo Filipinas-Austrália sobre o Status das Forças Visitantes. Assim, o apoio legislativo para qualquer acordo importante entre o Japão e as Filipinas não é uma conclusão precipitada.

Assim, o Japão terá que lidar com preocupações legítimas sobre o revisionismo histórico, lidar com questões de compensação em relação às vítimas de “mulheres de conforto” nas Filipinas e conquistar ativamente as partes interessadas relevantes, que são cruciais para a aprovação e implementação suave de qualquer grande acordo de defesa entre Filipinas e Japão em o futuro. Também tem que assegurar às Filipinas que qualquer expansão da presença militar japonesa no país do Sudeste Asiático não levará, como no caso de vários soldados americanos nas últimas décadas, aos direitos humanos e abusos sexuais contra as comunidades anfitriãs.

Além do mais, o Japão também tem que justificar a legalidade de qualquer desdobramento militar expandido no exterior sob sua constituição ostensivamente pacifista, que ainda precisa ser emendada. Depois de seis anos de travessuras populistas e incerteza geopolítica sob o governo de Duterte, inclinado a Pequim, as Filipinas agora estão cortejando ativamente uma defesa mais estreita e uma cooperação estratégica com aliados tradicionais contra uma China ressurgente.

Apesar dos grandes realinhamentos geopolíticos na região, a segurança estratégica e as relações econômicas expansivas serão cruciais para determinar o futuro das relações Filipinas-Japão.


Estamos há mais de 20 anos no mercado contratando homens e mulheres até a 3º geração (sansei) com até 65 anos, casais com ou sem filhos para trabalhar e viver no Japão, temos mais de 400 vagas e parceria com +50 empreiteiras em diversas localidades. Auxiliamos na emissão do Visto Japonês, Documentos da Empreiteira, Certificado de Elegibilidade, Passagem e mais. Contate-nos via WhatsApp para mais informações sobre empregos no Japão: (11) 95065-2516 📲🇯🇵✨ ©𝐍𝐨𝐳𝐨𝐦𝐢 𝐓𝐫𝐚𝐯𝐞𝐥.
Comentários estão fechados.