153 visualizações 4 min 0 Comentário

Beat Takeshi fala sobre abuso sexual e o novo filme Kubi

- 17 de novembro de 2023

O icônico cineasta e comediante japonês Takeshi Kitano disse na quarta-feira que a indústria do entretenimento do país sempre tendeu a tratar os artistas como mercadorias, com sua estrutura hierárquica tradicional muitas vezes facilitando o abuso de poder.

Refletindo sobre o escândalo de abuso sexual envolvendo o falecido Johnny Kitagawa, bem como a recente suspeita de suicídio de uma atriz do teatro musical Takarazuka, Kitano, 76 anos, disse que desde há muito tempo, entrar no mundo do entretenimento japonês “era visto como algo em que maus tratos acontecem.”

“Também para mim, desde que entrei no campo da comédia e do entretenimento aqui no Japão, houve períodos em que não era possível rir”, disse Kitano, conhecido pelo nome artístico de Beat Takeshi, no Foreign Correspondents’ Clube do Japão em Tóquio.

Kitano, que há muito trabalha com membros da agência de talentos masculinos fundada por Kitagawa, disse que naquela época se ouviam vários rumores e pensava-se que tais coisas poderiam acontecer quando alguém entrasse naquele mundo.

Questionado sobre a controvérsia em torno da companhia de teatro musical feminina Takarazuka Revue, o veterano comediante disse que ainda existem organizações cujos membros estão sob pressão para disputar bons papéis.

Mas Kitano acrescentou que a indústria do entretenimento japonês está num estado de transição, com as coisas a melhorar gradualmente, embora ainda seja necessário fazer muito trabalho para “remover estes lados obscuros”.

Kitano falou no clube antes do lançamento de seu filme “Kubi”, na próxima semana, que retrata os eventos que cercam o assassinato do senhor da guerra japonês do século 16, Oda Nobunaga, durante o período Sengoku do Japão (1482-1573).

O filme – escrito, dirigido e estrelado por Kitano – investiga mais “relações turvas” que a televisão japonesa e a grande mídia muitas vezes evitam, disse Kitano, que fez sua estreia como diretor em 1989.

“O período Sengoku do Japão não foi apenas uma época de coisas bonitas. Particularmente, o que não foi mostrado é o retrato das relações entre os homens naquela época, incluindo as relações homossexuais”, disse ele.

As obras populares de Kitano incluem o drama policial “Hana-Bi”, que ganhou o Leão de Ouro no Festival de Cinema de Veneza em 1997, e “Zatoichi”, pelo qual recebeu o Leão de Prata de Melhor Direção no mesmo festival em 2003.

Kitano, que apareceu no filme de guerra de 1983 “Feliz Natal, Sr. Lawrence”, recebeu a Legião de Honra, o prêmio de maior prestígio da França, em 2016. Em abril de 2022, ele também recebeu o Golden Mulberry, um prêmio pelo conjunto da obra, no Festival de Cinema do Extremo Oriente realizado na Itália.

“Quando olho para trás agora, sinto uma sensação de facilidade ou realização pelo fato de estar aqui e fazer parte deste mundo há tanto tempo”, disse Kitano.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.