624 visualizações 5 min 0 Comentário

Bem estar mental das crianças japonesas é a segunda pior dos países desenvolvidos

- 4 de setembro de 2020

As crianças japonesas foram classificadas como a segunda pior em bem-estar mental entre 38 países desenvolvidos e emergentes devido à baixa satisfação com a vida e suicídios, disse um relatório da UNICEF na quinta-feira.

Embora as crianças japonesas estejam em primeiro lugar em saúde física e vivam em condições econômicas relativamente prósperas, o bullying nas escolas, bem como as relações familiares difíceis, estão levando a uma falta de bem-estar psicológico, concluiu o Fundo Infantil da ONU.

Somente crianças na Nova Zelândia tiveram classificação pior do que o Japão em termos de bem-estar mental.

O relatório, intitulado “Mundos de influência: entendendo o que molda o bem-estar infantil nos países ricos”, analisou três categorias principais – bem-estar mental, saúde física e habilidades acadêmicas e sociais – usando dados coletados antes da pandemia do coronavírus.

Levando em consideração as três categorias, a Holanda liderou a lista, seguida pela Dinamarca e pela Noruega. O Japão caiu em 20º, os Estados Unidos em 36º e o Chile em último.

As conclusões do documento foram baseadas em estatísticas da ONU cobrindo membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico e da União Europeia.

Em 2018, a Holanda relatou a taxa mais alta de crianças de 15 anos com alta satisfação com a vida, com 90%, enquanto a Turquia ficou em último lugar com apenas 53%. O Japão ficou em segundo lugar, com 62 por cento.

No Japão, uma média de 7,5 adolescentes por 100.000, com idades entre 15 a 19 anos, se mataram entre 2013 e 2015, em comparação com 14,9 na Nova Zelândia, que teve a segunda maior taxa. A maior taxa pertencia à Lituânia com 18,2, enquanto a Grécia teve a menor taxa de 1,4.

Quando se trata de obesidade, no entanto, o Japão registrou a taxa mais baixa, com apenas 14% das pessoas de 5 a 19 anos classificadas com sobrepeso ou obesidade em 2016. Os Estados Unidos tiveram a taxa mais alta, 42%.

Em proficiência acadêmica e habilidades sociais, o Japão ficou em 27º lugar.

Embora as crianças japonesas tenham ficado em quinto lugar em proficiência em leitura e matemática, elas ficaram em segundo lugar no que diz respeito à confiança em fazer amigos com facilidade, com apenas 69 por cento dos adolescentes de 15 anos dizendo que se sentiam assim, superando os 68 por cento registrados pelo Chile .

O Japão teve a menor taxa de desemprego em 2019 entre os países pesquisados, mas a taxa de crianças que vivem na pobreza ficou em 18,8%, abaixo da média de 20%.

O especialista em educação Naoki Ogi rotulou as escolas do Japão de “inferno do bullying” e disse que a competição excessiva para entrar em escolas de prestígio é um fator negativo para a saúde mental.

“É inevitável que as crianças (no Japão) tenham baixa autoestima e não tenham uma sensação de felicidade”, disse ele.

Olhando para o futuro, o relatório da UNICEF disse que a crise do coronavírus em curso aumentará os desafios enfrentados pelas crianças.

“O que começou como uma crise de saúde se espalhará e atingirá todos os aspectos das economias e sociedades”, disse. “As crianças não sofrerão os piores efeitos diretos do vírus para a saúde. Mas, como sabemos por crises anteriores, eles serão o grupo que experimentará os impactos negativos de longo prazo de forma mais aguda. ”

Portal Mundo-Nipo
Sucursal Japão Tóquio
Jonathan Miyata