152 visualizações 6 min 0 Comentário

China Acelera Urbanização Forçada de Tibetanos, Afirma Human Rights Watch

- 3 de junho de 2024

Impacto das Deslocalizações Forçadas nos Tibetanos. Perda de Cultura e Tradições em Nome do Progresso.

TAIPEI (AP) – A China está intensificando a urbanização forçada de aldeões e pastores tibetanos, de acordo com um relatório detalhado da Human Rights Watch. O documento acrescenta evidências aos relatórios governamentais e independentes sobre os esforços chineses para assimilar os tibetanos rurais, controlando sua língua e cultura budista tradicional.

A organização de direitos humanos citou vários relatórios internos chineses que contradizem as declarações oficiais de que todos os tibetanos deslocados o fizeram voluntariamente, mesmo com suas antigas casas sendo destruídas. As deslocalizações seguem um padrão de exigências, muitas vezes violentas, para que minorias étnicas adotem o mandarim e demonstrem lealdade ao Partido Comunista, afetando milhões de tibetanos, uigures de Xinjiang, mongóis e outros grupos minoritários.

A China afirma que o Tibete faz parte de seu território há séculos, embora só tenha estabelecido controle firme sobre a região do Himalaia após a ascensão do Partido Comunista ao poder em 1949.

“Essas táticas coercitivas são atribuídas à pressão sobre funcionários locais por autoridades de alto nível, que caracterizam a realocação como uma política crítica e inegociável vinda de Pequim ou Lhasa,” afirmou a HRW no relatório. “Isso não deixa flexibilidade para as autoridades locais, exigindo que obtenham 100% de concordância dos aldeões afetados.”

O relatório indica que, até o final de 2025, mais de 930 mil tibetanos rurais terão sido realocados para centros urbanos, onde perderão suas fontes tradicionais de renda e enfrentarão dificuldades para encontrar emprego. Lhasa e outras grandes cidades têm atraído muitos migrantes do grupo étnico Han, dominante na China, que controla a política e a economia.

Mais de 3 milhões dos mais de 4,5 milhões de tibetanos nas áreas rurais foram forçados a construir casas e abandonar seus estilos de vida nômades baseados na criação de iaques e agricultura. Além da Região Autônoma do Tibete, os tibetanos formam comunidades nas províncias vizinhas de Sichuan, Yunnan e Qinghai.

“Essas deslocalizações corroem ou causam grandes danos à cultura e aos modos de vida tibetanos, pois a maioria dos programas de realocação no Tibete transfere antigos agricultores e pastores para áreas onde não podem praticar sua subsistência tradicional e são forçados a buscar trabalho assalariado em indústrias não agrícolas,” disse a HRW.

A China defende suas políticas no Tibete como promotoras de estabilidade e desenvolvimento em uma região estrategicamente importante. A última grande manifestação antigovernamental na região ocorreu em 2008, resultando em uma repressão militar. Estrangeiros precisam de permissão especial para visitar o Tibete, e jornalistas são amplamente proibidos, exceto aqueles que trabalham para a mídia estatal chinesa.

A China nega consistentemente as alegações de violações dos direitos humanos nas regiões tibetanas, afirmando que são acusações infundadas para manchar sua imagem. Em agosto passado, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Wang Wenbin, afirmou que as condições dos direitos humanos no Tibete estavam “no seu melhor histórico”.

“A região desfruta de uma economia em expansão, sociedade harmoniosa e estável, e proteção eficaz do patrimônio cultural,” disse Wang. “Os direitos e liberdades de todos os grupos étnicos, incluindo a liberdade de crença religiosa e o uso das línguas étnicas, são totalmente garantidos.”

A China, com 1,4 bilhão de habitantes, afirma ter erradicado a pobreza extrema, principalmente através da mudança de casas isoladas para comunidades maiores com melhor acesso a transporte, eletricidade, saúde e educação. Essas alegações não foram verificadas de forma independente.

O crescimento econômico da China desacelerou, com uma população envelhecida e alta taxa de desemprego juvenil, mesmo quando indústrias como a de carros elétricos e smartphones expandem suas quotas de mercado no exterior.

A HRW recomendou que o Conselho de Direitos Humanos da ONU realizasse uma investigação independente sobre as violações dos direitos humanos cometidas pelo governo chinês no Tibete e em outras áreas.

Logotipo Mundo-Nipo
Autor

**Portal Mundo-Nipo**
Sucursal Japão – Tóquio
contato@mundo-nipo.com.br

Comentários estão fechados.