105 visualizações 4 min 0 Comentário

China sugere expandir proibição de alimentos japoneses após liberação de água de Fukushima

- 7 de julho de 2023

Crédito: Japan Times – 07/07/2023 – Sexta

As autoridades alfandegárias chinesas sugeriram na sexta-feira a possibilidade de expandir o escopo da proibição de importação de produtos alimentícios japoneses, já que o Japão planeja liberar água tratada da usina nuclear nº 1 de Fukushima no mar.

A Administração Geral das Alfândegas da China disse que tomaria as medidas necessárias dependendo dos desenvolvimentos relacionados ao plano de liberação de água de Fukushima.

A proibição de importação foi introduzida após os colapsos de março de 2011 na fábrica da Tokyo Electric Power Company Holdings, no nordeste do Japão.

A agência alfandegária disse que fortalecerá a supervisão e inspeção de produtos alimentícios de 37 das 47 províncias do Japão que agora estão parcialmente isentas da proibição de importação, enquanto continua a barrar produtos de Fukushima e outras províncias.

A medida foi projetada para permitir que a China proíba totalmente as importações de alimentos do Japão a qualquer momento, para que possa usar a proibição de importação como um cartão diplomático, disse uma fonte familiarizada com o assunto.

Na terça-feira, a Agência Internacional de Energia Atômica emitiu um relatório confirmando que a liberação planejada de água era “consistente com os padrões internacionais de segurança relevantes”.

O Japão disse na quinta-feira que a China e a Coréia do Sul descartaram resíduos líquidos contendo altos níveis de trítio, um material radioativo, contrariando as críticas de Pequim ao plano de Tóquio de liberar água tratada da usina nuclear de Fukushima.

O padrão do Japão para a liberação de trítio, abaixo de 22 trilhões de becquerels por ano, é muito mais rígido do que o de outras nações, incluindo seus vizinhos China e Coréia do Sul, disse o secretário-chefe do gabinete, Hirokazu Matsuno, principal porta-voz do governo.

Em 2021, a usina nuclear de Yangjiang, na China, descarregou cerca de 112 trilhões de becquerels de trítio, enquanto a usina de Kori, na Coreia do Sul, liberou cerca de 49 trilhões de becquerels do material radioativo, informou o Ministério da Indústria do Japão.

A Coreia do Sul emitiu uma declaração dizendo que respeita as conclusões da AIEA.

Mas a agência alfandegária chinesa afirmou que a ansiedade dos consumidores chineses sobre o plano de liberação de água de Fukushima aumentou.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China argumentou que o Japão está tentando transferir o risco de contaminação nuclear para o resto do mundo.

Foto: Japan Times (Tanques de armazenamento para água tratada na usina nuclear de Fukushima nº 1, danificada pelo tsunami, em Okuma, província de Fukushima, em 2021. | KYODO)

Comentários estão fechados.