107 visualizações 5 min 0 Comentário

Estudos apontam o Japão reduzirá a 63 milhões pessoas em 2100

- 13 de janeiro de 2024

No meio de preocupações sobre o rápido despovoamento, um painel privado propôs que o Japão deveria ter como objetivo ter uma população estável de 80 milhões de pessoas até 2100, a fim de manter o crescimento econômico.

Em abril passado, o governo divulgou uma estimativa de que a população seria reduzida para metade, para cerca de 63 milhões em 2100, prevendo-se que 40% das pessoas tenham 65 anos ou mais.

O Japão tem lutado com a questão do declínio da taxa de natalidade durante décadas, mas a situação está prestes a “mudar drasticamente”, com o país agora a entrar numa grave fase de declínio populacional, disse o painel, liderado pelo presidente honorário da Nippon Steel, Akio Mimura e composto por 28 membros, incluindo acadêmicos proeminentes e líderes empresariais, disse terça-feira.

A população do país em 1930 era de cerca de 63 milhões, mas a proporção daqueles com 65 anos ou mais era de apenas 4,8%, de acordo com o painel, que apresentou a sua proposta ao primeiro-ministro Fumio Kishida no mesmo dia.

Para evitar esse futuro, o Japão precisa de abrandar o ritmo do declínio e, eventualmente, pará-lo, disse o painel, acrescentando que a estratégia do governo deve concentrar-se na estabilização da população em cerca de 80 milhões até 2100. No mês passado, a população do Japão era estimado em 124 milhões.

O painel realizou várias simulações e argumentou que se o país aumentasse a taxa de fertilidade total – o número médio de filhos que uma mulher dá à luz durante a sua vida – para 1,6 por volta de 2040, 1,8 por volta de 2050 e eventualmente 2,07 por volta de 2060, poderia manter uma população de cerca de 80 milhões até 2100.

Em 2022, a taxa de fertilidade do Japão caiu pelo sétimo ano consecutivo, para um mínimo histórico de 1,26. Uma taxa de 2,07 é considerada necessária para manter a população estável.

“Esta não é uma tarefa fácil, mas não é de forma alguma impossível se forem lançados esforços em grande escala para combater o declínio da taxa de natalidade”, disse o painel, destacando que seriam necessárias décadas para que tal estratégia começasse a dar frutos e que era inevitável que a população fosse menor do que é hoje.

Ainda assim, se o Japão conseguir manter uma população de 80 milhões de habitantes e também aumentar a produtividade, então o país poderá registar um crescimento econômico anual de cerca de 0,9% entre 2050 e 2100, de acordo com o painel.

Ao abordar a questão, o governo deveria estabelecer um novo comitê de peritos diretamente subordinados ao primeiro-ministro, que supervisionaria o planeamento e a implementação da estratégia populacional, sugeriu o painel.

O painel disse que um grande problema era que o governo e o setor privado não tinham conseguido partilhar informação suficiente com o público sobre a gravidade do rápido despovoamento e a importância de o prevenir.

“É infundadamente optimista dizer que “a população pode estar a diminuir, mas a sociedade japonesa continuará como antes”, afirmou o painel.

As medidas implementadas pelo governo até agora para combater o declínio da taxa de natalidade podem ter produzido alguns resultados, mas foram na sua maioria “pontuais e provisórias”, pelo que não foram suficientes para inverter a tendência, acrescentou o painel.

Kishida fez do combate à queda vertiginosa da taxa de natalidade do país um item político de topo e comprometeu-se a introduzir “medidas sem precedentes” para evitar o grave impacto econômico a longo prazo. Ele disse que o governo aumentará o orçamento para políticas relacionadas ao cuidado infantil nos próximos três anos, com um adicional de 3,6 trilhões de ienes (US$ 24,8 bilhões) a serem gastos a cada ano.

Comentários estão fechados.