118 visualizações 2 min 0 Comentário

G7 luta para conquistar nações cortejadas por China e Rússia

- 22 de maio de 2023

Crédito: Japan Times – 22/05/2023 – Segunda

Indo para a cúpula do Grupo dos Sete, os EUA e seus aliados sabiam que precisavam fazer mais para conquistar nações globais também cortejadas por China e Rússia. A reunião do fim de semana no Japão mostrou que eles têm um longo caminho pela frente.

A reunião em Hiroshima, local do primeiro bombardeio atômico em 1945, mostrou os horrores das armas nucleares após ameaças do líder russo Vladimir Putin de usá-las na Ucrânia. Uma visita surpresa de seu presidente, Volodymyr Zelenskyy , deu a ele a chance de apelar aos líderes de economias emergentes que também foram convidados para a cúpula e assumiram uma postura neutra – e às vezes ambivalente – sobre a guerra.

No entanto, é difícil ver um progresso tangível para as nações ricas do G7, embora algumas autoridades ocidentais digam que o bloco está indo na direção certa em comparação com os anos anteriores.

Três convidados importantes – o brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, o indiano Narendra Modi e o indonésio Joko Widodo, que supervisionam coletivamente um quarto da população mundial – falaram da necessidade de paz em termos gerais sem endossar a visão do G7 sobre a Ucrânia.

Em entrevista coletiva antes de partir de Hiroshima, Lula criticou a retórica do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em relação à Rússia, dizendo que não estava ajudando nos esforços de paz.

Foto: Japan Times (Volodymyr Zelenskyy, presidente da Ucrânia, quarto da esquerda para a esquerda, senta-se com os líderes do Grupo dos Sete e faz contato com os países antes de uma sessão durante a cúpula dos líderes do G7 em Hiroshima, no domingo | BLOOMBERG)

Comentários estão fechados.