141 visualizações 5 min 0 Comentário

G7 se volta para o ‘Sul Global’ para contrabalançar Rússia e China

- 3 de maio de 2023

Crédito: Japan Times – 03/05/2023 – Quarta

Quando os líderes das nações do Grupo dos Sete se reunirem para uma cúpula de três dias em Hiroshima no final deste mês, eles se juntarão a um contingente único de oito outros líderes para um exercício de diplomacia global.

Embora a decisão do primeiro-ministro Fumio Kishida de convidar esses países – incluindo Índia, Coréia do Sul, Brasil e Austrália – leve os líderes do G7 a discutir questões internacionais urgentes, como mudança climática e segurança alimentar, outros objetivos também estarão em jogo: ou seja, recuar contra a Rússia e China.

As nações do G7 tornaram-se cada vez mais conscientes da necessidade de intensificar a cooperação com os países emergentes e em desenvolvimento, para forjar uma frente internacional unida em questões como a crescente assertividade de Pequim e a invasão da Ucrânia por Moscou.

Esforços para lidar com este último chegaram às manchetes na semana passada, quando o Financial Times informou que, como parte das negociações pré-cúpula, Washington sugeriu substituir o atual regime de sanções setor por setor contra a Rússia por uma proibição quase total de exportação . A proposta foi considerada “não factível” pelo Japão e países europeus.

A medida aponta para uma crescente frustração nos EUA, já que a Rússia continua importando tecnologia ocidental para apoiar sua guerra na Ucrânia, devido a brechas no atual regime de sanções.

Mas como nem Moscou nem Kiev esperam uma vitória decisiva no campo de batalha em breve, será necessário um apoio internacional mais amplo se a Rússia for submetida a sanções e forçada a retirar suas tropas.

Isso ficou claro quando Moscou disse em fevereiro que a economia russa teve um desempenho muito melhor do que o esperado no ano passado, contraindo apenas cerca de 2%, uma vez que se beneficiou de preços mais altos de exportação de energia, aumento de gastos militares e fluxos comerciais redirecionados através de países que não aderiram o regime de sanções — principalmente China, Índia e Turquia.

Fechando brechas

Para fortalecer o apoio à Ucrânia e ao mesmo tempo aumentar a eficácia das sanções contra a Rússia, os líderes do G7 entendem que é crucial trazer o maior número possível de países do “Sul Global” – especialmente a Índia, que atualmente detém a presidência do G20, e a Indonésia, presidente deste ano da Associação das Nações do Sudeste Asiático.

O termo Sul Global refere-se a um agrupamento frouxo de cerca de 100 nações, muitas em desenvolvimento e não alinhadas com qualquer grande potência. Entre eles estão os outros quatro países convidados a participar da cúpula de Hiroshima: Indonésia, Comores, Vietnã e Ilhas Cook.

Em uma reunião de ministros das Relações Exteriores do G7 no mês passado, o bloco prometeu “intensificar” as sanções contra a Rússia, ao mesmo tempo que prometeu diminuir as brechas por meio de uma cooperação mais estreita com os países do Sul Global. Isso será crucial, já que a participação total do G7 no produto interno bruto mundial caiu de pouco mais de 50% em 1990 para pouco menos de 30% neste ano, segundo o FMI.

A maioria das nações do Sul Global não se juntou ao Ocidente na imposição de sanções à Rússia – particularmente considerando os efeitos prejudiciais da guerra sobre os preços globais de alimentos e energia. Muitos também evitaram tomar partido na crescente rivalidade EUA-China, vendo benefícios nas relações com ambos e se preocupando menos com uma ordem internacional liderada pelos EUA.

Foto: Japan Times (O líder indiano Narendra Modi e o primeiro-ministro Fumio Kishida conversam antes de seu encontro em Nova Délhi em 20 de março. | BLOOMBERG)

Comentários estão fechados.