174 visualizações 6 min 0 Comentário

Godzilla Minus One em cartaz no Japão a partir de 3 novembro

- 31 de outubro de 2023

Sessenta e nove anos depois de Godzilla ter surgido das profundezas do oceano, alimentado pela raiva da humanidade e pela radioatividade de um teste nuclear que deu errado, ele ressuscita. O monstro não apenas invadirá os cinemas em 3 de novembro com o lançamento de “Godzilla Minus One”, mas este mês trouxe a tradução para o inglês de duas novelas para as legiões de fãs de Godzilla em todo o mundo desfrutarem.

Com “Godzilla e Godzilla Raids Again”, de Shigeru Kayama, os devotos podem finalmente ler em inglês as duas histórias que juntas articulam plenamente as intenções por trás da criação do mais infame kaijū (monstro) do Japão. As novelas foram publicadas em 1955 no Japão, um ano após a estreia do filme original “Godzilla”.

Kayama (1904-75) foi um popular escritor de ficção especulativa encarregado de escrever os tratamentos originais dos dois primeiros filmes de “Godzilla”. Ele foi recrutado pelo produtor Tomoyuki Tanaka para criar uma alegoria para os perigos dos testes nucleares e do armamento.

“Embora muitas pessoas nos Toho Studios tenham contribuído para o primeiro filme de ‘Godzilla’, Kayama foi quem desenvolveu a vaga ideia de Tanaka para um filme mais ou menos no que conhecemos hoje”, diz o tradutor de “Godzilla e Godzilla Raids Again” Jeffrey Angles . “Ele merece ser mais conhecido como o ‘verdadeiro pai’ de Godzilla.”

O tratamento de Kayama, no entanto, continha uma acusação contundente a toda a indústria nuclear – e aos Estados Unidos em particular. Os dois filmes suavizaram muitas das críticas de Kayama e, portanto, ele publicou suas novelas para expandir os temas principais do filme. “Ao traduzir essas novelas”, diz Angles, “eu queria mostrar ao mundo de língua inglesa o que Kayama realmente esperava transmitir”.

Com um posfácio informativo de Angles, “Godzilla e Godzilla Raids Again” finalmente permite que os leitores ingleses entendam melhor o importante contexto por trás do monstro. Godzilla como uma criação fictícia foi inspirada na tragédia da vida real do Lucky Dragon No. 5, um barco de pesca japonês que foi pego perto da detonação de um teste de arma termonuclear dos EUA na cadeia de ilhas conhecida como Atol de Bikini em 1º de março de 1954. Todos os 23 tripulantes foram levados às pressas para o hospital com enjoo devido à radiação, e um morreu logo depois. Amplamente noticiado no Japão, o evento foi amplamente ignorado pela mídia ocidental. As novelas de Kayama tornam óbvia a inspiração histórica para o monstro, começando uma história com o ataque de Godzilla a um pequeno barco de pesca e brincando com os já consideráveis ​​temores do Japão sobre os perigos da precipitação radioativa em meio à desenfreada corrida armamentista que se desenvolve em todo o mundo.

Angles, professor de cultura e literatura japonesa na Western Michigan University e mais conhecido por suas traduções sensíveis da poesia feminista japonesa moderna, apresenta lindamente a prosa de Kayama e as sequências cheias de ação. A trama do autor está subjacente à importante mensagem política central de “Godzilla”, que é fácil de perder no filme: o monstro vitimiza os outros porque ele próprio é uma vítima. Ou, simplesmente, as tecnologias nucleares criam monstros que não podemos controlar.

Kayama também usou as novelas para criticar a ideia aceita de uma corrida armamentista, de que a única maneira de impedir o armamento nuclear era construir mais. A segunda novela, “Godzilla Raids Again”, ambientada em Osaka, mostra ainda a raiva destrutiva de Godzilla como uma reação à sua própria transformação dolorosa sob os efeitos do armamento nuclear. Culturalmente, essas duas novelas expandem as crenças pacifistas subjacentes de toda a franquia “Godzilla” e são uma importante adição contextual que certamente atrairá muito além da base de fãs kaijū.

No geral, as novelas (destinadas a leitores do ensino médio) são divertidas e informativas, mesmo para aqueles que não estão familiarizados com os filmes originais, embora as histórias às vezes vacilem com caracterizações óbvias ou mensagens diretas. Para os fãs de cinema, é uma excelente oportunidade de revisitar e expandir as origens do monstro antes que a Toho Studios lance o mais novo capítulo da saga “Godzilla”.

A popularidade da franquia dura décadas; abrange 38 filmes (cinco americanos e 33 japoneses), diversas adaptações para a televisão (com uma nova em produção) e inúmeros spin-offs. Com a adição de “Godzilla e Godzilla Raids Again”, vemos a gênese de um monstro que sempre teve a intenção de servir de espelho para as escolhas monstruosas da própria humanidade.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.