86 visualizações 5 min 0 Comentário

Governo crê que a falta de equidade salarial entre gêneros prejudica

- 4 de setembro de 2023

As mulheres japonesas estão a perder cerca de 111 bilhões de ienes (761 mil milhões de dólares) em pagamento por uma série de tarefas domésticas que realizam gratuitamente, um montante que equivale aproximadamente a um quinto da economia do país.

Embora os homens também se envolvam em trabalho não remunerado no valor de 32 bilhões de ienes em serviço doméstico, isso representa menos de um terço do que as mulheres fazem, de acordo com um relatório do Gabinete divulgado em Julho. Em conjunto, os números refletem parte da disparidade salarial entre homens e mulheres na terceira maior economia do mundo e realçam a enorme quantidade de trabalho não remunerado que é realizado.

No relatório, o valor do trabalho não remunerado em 2021 foi calculado com base no tempo trabalhado, multiplicado pelo salário médio de cada sexo de acordo com a idade.

Enquanto o primeiro-ministro Fumio Kishida procura distribuir os rendimentos de uma forma mais equitativa como parte da sua agenda política do “novo capitalismo”, a quantidade de trabalho realizado gratuitamente realça os rendimentos perdidos, bem como a divisão de gênero que persiste no país. destacou que o baixo nível de remuneração das mulheres no Japão é uma das maiores razões por trás da estagnação do crescimento salarial no país nas últimas duas décadas.

Kanako Katsumata, mãe de dois filhos que mora na cidade de Fujisawa, província de Kanagawa, está entre aqueles que assumem a maior parte do trabalho doméstico e do cuidado dos filhos em casa.

“É um fato aceito que as tarefas domésticas recaem principalmente sobre as mulheres”, disse Katsumata, que atualmente está de licença maternal de seu trabalho como professora de creche. Ela diz que seu marido tornou-se mais cooperativo depois que seu segundo filho nasceu, mas a cultura do Japão de esperar que as tarefas domésticas sejam realizadas pela mãe continua forte, disse ela.

A quantidade de tempo que o homem japonês médio gastou em trabalho não remunerado por dia foi de 41 minutos, de acordo com a OCDE, o valor mais baixo entre 30 países acompanhados pelo grupo.

Esse número baixo faz com que o Japão tenha a quarta maior disparidade entre os gêneros na OCDE, com as mulheres do país a trabalhar três horas adicionais de graça. Suécia, Dinamarca e Noruega têm as diferenças mais estreitas, com a disparidade horária em todos os três países sendo inferior a uma hora.

Ainda assim, as mulheres suportam muito mais trabalho não remunerado do que os homens em todo o mundo. Nos Estados Unidos, as mulheres perdem 627 mil milhões de dólares por ano apenas para cuidar de crianças e outros membros da família.

Se o valor do trabalho não remunerado das mulheres fosse adicionado aos salários médios, a disparidade salarial entre os dois gêneros desapareceria praticamente, de acordo com Naoko Kuga, investigadora sénior do NLI Research Institute. Para as mulheres, esse valor gira em torno de ¥ 2 milhões por pessoa.

Analisando os dados por faixa etária, entre as gerações de criação dos filhos com idades compreendidas entre os 20 e os 44 anos, o salário das mulheres era maior do que o dos homens se o trabalho doméstico fossem remunerados.

O número de agregados familiares com rendimento duplo no Japão aumentou ao longo dos anos para 12,6 milhões, aproximadamente o dobro do número de agregados familiares com rendimento único, nos quais os homens são geralmente os chefes de família. Mas a quantidade de horas que as mulheres dedicam ao trabalho doméstico continua a ser cerca de quatro vezes superior à dos homens.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.