162 visualizações 6 min 0 Comentário

Inflação no Japão Desacelera, Mas Permanece Acima da Meta do Banco do Japão

- 25 de maio de 2024

Aumento Salarial no Japão: Expectativas de Pressão Inflacionária.

A inflação no Japão desacelerou pelo segundo mês consecutivo, mas ainda está acima da meta do Banco do Japão, devido à recente depreciação do iene, que alimenta preocupações sobre pressões inflacionárias persistentes. Os preços ao consumidor, excluindo alimentos frescos, aumentaram 2,2% em abril em relação ao ano anterior, conforme relatado pelo Ministério da Administração Interna. Este aumento correspondeu às estimativas dos analistas e manteve o índice acima da meta de 2% do Banco do Japão pelo 25º mês consecutivo.

O principal fator que influenciou o índice foi a desaceleração dos ganhos nos preços dos alimentos processados, que aumentaram 3,5%, em parte devido a efeitos de base. Os custos de alojamento também cresceram a um ritmo menor, impactando o índice geral. Uma medida mais profunda da inflação, que exclui alimentos frescos e energia, desacelerou para 2,4%, alinhada com as estimativas de consenso.

Esses resultados não devem impedir o Banco do Japão de buscar oportunidades para ajustar suas políticas monetárias. Observadores do BOJ têm sinalizado o risco de um aumento antecipado das taxas, especialmente com o iene próximo ao seu valor mais baixo em 34 anos. Mesmo após suspeitas de intervenções do governo para apoiar a moeda, os preços dos serviços, um fator chave nas deliberações do BOJ, aumentaram 1,7% em relação ao ano anterior, desacelerando em relação aos 2,1% do mês anterior.

A tendência pode mudar nos próximos meses, com muitas empresas implementando aumentos salariais após negociações sindicais que garantiram promessas de aumentos superiores a 5%, os maiores em mais de três décadas. O Banco do Japão espera que esses aumentos salariais estimulem os gastos e os preços. Kohei Okazaki, economista sênior da Nomura Securities, acredita que os aumentos salariais exercerão uma pressão constante para aumentar os preços.

A inflação em Tóquio, um indicador importante para os números nacionais, registrou uma queda em abril devido a subsídios à educação. Analistas estimam que o impacto dessas medidas foi menor no indicador nacional, reduzindo os ganhos de preços em cerca de 0,1 ponto percentual. Subsídios aos serviços públicos subtraíram 0,48 ponto percentual do índice principal de preços ao consumidor. O governo começará a eliminar gradualmente esses subsídios a partir de maio, potencialmente elevando o principal indicador de inflação para 3% durante o verão.

O Banco do Japão parece confiante de que um ciclo virtuoso de salários e preços impulsionará a inflação no futuro. Taro Kimura, economista da Bloomberg Economics, acredita que um aumento esperado nas taxas de serviços públicos também elevará os dados de inflação nos próximos meses. No entanto, as empresas japonesas enfrentam o desafio de decidir se devem aumentar os preços para repassar os custos crescentes resultantes do iene fraco, enquanto os gastos dos consumidores continuam fracos. Os gastos das famílias recuaram durante 13 meses, prejudicando a propensão dos consumidores para gastar.

A economia do Japão contraiu-se no primeiro trimestre deste ano, estendendo para três a série de trimestres com crescimento zero ou negativo. O fraco início de ano não afastará o banco central de outro aumento das taxas de juros, pois se prevê uma recuperação do crescimento, disse o governador do BOJ, Kazuo Ueda. O iene enfraqueceu além de ¥160 em relação ao dólar no final do mês passado, seguido por duas intervenções cambiais pelo Ministério das Finanças para apoiar a moeda.

Cerca de 64% das empresas afirmaram que a recente desvalorização do iene corroeu seus lucros, segundo um relatório do Teikoku Databank. Ken Kobayashi, chefe da câmara de comércio do Japão, pediu às autoridades que tomem medidas para mover o iene para cerca de ¥120 a ¥130 por dólar. Economistas alertam que o iene fraco pode provocar um ressurgimento da inflação, aumentando os custos e afetando o consumo.

Neste contexto, e com o iene perdendo valor, Ueda mudou recentemente seu tom ao falar sobre o mercado cambial, afirmando que movimentos cambiais rápidos são indesejáveis. Ele enviou um aviso claro após uma reunião com o primeiro-ministro Fumio Kishida, destacando a necessidade de estabilidade cambial para apoiar a economia japonesa.

Logotipo Mundo-Nipo
Autor

**Portal Mundo-Nipo**
Sucursal Japão – Tóquio
contato@mundo-nipo.com.br

Comentários estão fechados.