227 visualizações 5 min 0 Comentário

Israel tem o apoio dos EUA, mas rodeados de vizinhos inimigos

- 12 de outubro de 2023

JERUSALÉM/GAZA/WASHINGTON (Reuters) – Israel formou um governo de unidade de emergência nesta quarta-feira, enquanto atacava Gaza para erradicar o Hamas e mobilizava forças ao norte do densamente povoado enclave palestino, onde os militantes disseram que ainda lutavam após a cruz assalto à fronteira.

O número de mortos em Israel aumentou para 1.200, com mais de 2.700 feridos, disseram seus militares, devido à violência de horas de duração dos militantes após romperem a cerca da fronteira que cerca Gaza no sábado.

O braço armado do grupo, as Brigadas Al Qassam, disse que ainda lutava dentro de Israel na quarta-feira. Israel enviou tanques e veículos blindados ao norte de Gaza, onde os confrontos foram relatados, mas não fez comentários imediatos sobre a afirmação do Hamas.

Os ataques de retaliação no enclave bloqueado mataram 1.055 pessoas e feriram 5.184, com cerca de 535 edifícios residenciais destruídos, deixando cerca de 250 mil desabrigados, disseram as autoridades do Hamas em Gaza. A maioria dos deslocados encontrava-se em abrigos designados pela ONU, outros amontoados em ruas destruídas.

Os militares disseram que dezenas de seus caças atingiram mais de 200 alvos em um bairro da Cidade de Gaza durante a noite, que teriam sido usados ​​pelo Hamas para lançar seus ataques.

Israel colocou Gaza sob “cerco total” para impedir que alimentos e combustível chegassem ao enclave de 2,3 milhões de pessoas, muitas delas pobres e dependentes de ajuda. A mídia do Hamas disse na quarta-feira que a eletricidade caiu depois que a única usina parou de funcionar.

Dezenas de israelitas e outros estrangeiros foram levados para Gaza como reféns , alguns dos quais desfilaram pelas ruas. 

Israel disse que estava mudando as escolas para o ensino remoto a partir de domingo e distribuindo mais armas de fogo para cidadãos licenciados, prevendo possíveis atritos entre a maioria judaica e a minoria árabe em meio a apelos por mais protestos em apoio a Gaza.

Na Cisjordânia ocupada por Israel, o governador palestino em exercício de Nablus, Ghassan Daghlas, disse que os palestinos foram baleados e supostamente feridos por colonos israelenses. A Reuters não conseguiu verificar imediatamente a reportagem e não houve comentários israelenses imediatos. Um hospital israelense em Ashkelon, ao norte de Gaza, disse ter sido atingido por um foguete, mas nenhuma vítima foi relatada.

Num outro sinal do agravamento da crise, os bombardeamentos israelitas atingiram cidades do sul do Líbano, após um ataque com foguetes do poderoso grupo armado Hezbollah, que é apoiado pelo Irã. Foi o quarto dia consecutivo de violência no país e seguiu-se aos bombardeios vindos da Síria na terça-feira, que Israel disse estar investigando.

Uma ofensiva terrestre acarreta riscos para Israel, nomeadamente para os reféns detidos na estreita e amplamente urbanizada Faixa de Gaza, fortemente governada pelo Hamas. Ameaçou executar um prisioneiro por cada casa atingida sem aviso prévio.

Israel retirou colonos e tropas de Gaza em 2005, após 38 anos de ocupação. O bloqueio israelita desde que o Hamas tomou o poder no enclave em 2007 criou condições que os palestinianos consideram intoleráveis.

O Ministério das Relações Exteriores palestino disse que os ataques israelenses destruíram mais de 22.600 unidades residenciais e 10 instalações de saúde e danificaram 48 escolas.

O enviado palestino da ONU, Riyad Mansour, escreveu ao Conselho de Segurança da ONU acusando Israel de crimes de guerra.

A violência também explodiu na Jerusalém Oriental árabe e na Cisjordânia, onde as autoridades dizem que 21 palestinos foram mortos e 130 feridos em confrontos com as forças israelenses desde sábado.

Israel conta com o apoio americano, em contrapartida tem como opositores a Palestina (Hamas), Faixa de Gaza (residentes palestinos), Líbano (Grupo Hezbollah), Irã (apoiador do Grupo Hezbollah), Cisjordânia (residentes palestinos), Qatar (apoiador do Hamas).

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.