209 visualizações 5 min 0 Comentário

Pesquisa acusa que mulheres recebe metade do salário dos homens

- 13 de outubro de 2023

As mulheres que trabalham para os principais bancos do Japão ganham pouco mais de metade do valor dos seus colegas homens, num exemplo claro da profunda divisão de gênero no país.

Embora o Japão tenha uma taxa de participação laboral relativamente elevada para as mulheres, muitos dos cargos que ocupam são a tempo parcial e têm poucas perspectivas de melhores salários ou desenvolvimento na carreira. Esse ponto foi reiterado na segunda-feira por Claudia Goldin, que no mesmo dia ganhou o Prémio Nobel de Economia pela sua investigação sobre os fatores por detrás das disparidades salariais e de emprego entre homens e mulheres, em comentários recolhidos pelos meios de comunicação japoneses.

As trabalhadoras ganhavam em média 54,9% do que os trabalhadores masculinos recebiam nos cinco maiores bancos do índice de referência Topix, de acordo com as suas últimas declarações anuais. 

No geral, o Japão tem uma das piores disparidades salariais entre homens e mulheres entre os países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, com o setor bancário entre os piores infratores, de acordo com uma análise de 2.800 empresas realizada pela empresa de consultoria WTW e outros.

As normas de gênero enraizadas no Japão fizeram com que a representação feminina em posições de poder nos negócios ou na política ficasse significativamente atrás de outras economias avançadas. O Japão ocupa o 125º lugar entre 146 países, com um desempenho particularmente mal na participação econômica e no empoderamento político, de acordo com o relatório sobre disparidades de gênero de 2023 do Fórum Económico Mundial.

Uma via, ainda largamente povoada por homens, recebe muito mais dinheiro e recebe maiores responsabilidades, mas exige muitas horas de trabalho e acarreta o risco de uma mudança súbita para locais diferentes. A outra via, quase inteiramente composta por mulheres, recebe muito menos, mas acarreta menos responsabilidades e geralmente permite que os trabalhadores permaneçam no mesmo local.

A escassez de mulheres gestoras é uma tendência observada nas empresas japonesas, para além do setor financeiro. Apenas 12% dos cargos de gestão são ocupados por mulheres, de acordo com uma análise do Ministério do Trabalho relativo ao ano encerrado em março de 2022. A mesma análise mostrou que em cerca de 40% das empresas no Japão, apenas homens foram contratados para cargos de carreira.

A Islândia é um exemplo. Promulgou legislação em 2018 exigindo “salário igual, valor igual”, o que significa que cargos com competências, horas e intensidade comparáveis ​​devem receber o mesmo salário, independentemente da indústria ou do trabalho. lacuna na última década.

O Japão tem regras semelhantes desde 2020 para grandes empresas e 2021 para pequenas empresas, mas o impacto dessas mudanças foi muito mais limitado. Na Islândia, a lei obriga as empresas com 25 funcionários ou mais a provar que não discriminam em termos de gênero, sexualidade ou etnia – ou enfrentarão multas de 50.000 coroas islandesas (360 dólares) por dia.

Os bancos japoneses dizem que estão a fazer esforços para melhorar a situação. Tanto o Mizuho Bank quanto o MUFG Bank também planejam se livrar do sistema de contratação dupla para trabalhadores regulares. O MUFG Bank afirma que tem como meta fazer com que as mulheres ocupem 27,5% dos cargos gerenciais neste ano fiscal e aumentar ainda mais esse número até 2030.

Ainda assim, Murao, da Universidade Toyo, disse que é preciso fazer mais.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.